Economia pode sofrer desaceleração, afirma BoE

SÃO PAULO, 22 de setembro de 2010 - O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), afirmou hoje que a economia da região pode sofrer desaceleração ao longo do segundo semestre, diante de incertezas com o setor privado, o que tem gerado riscos em relação ao emprego, caso os problemas com a oferta aumente. As informações são da ata da reunião, quando foi decidido manter a taxa básica de juros em 0,5% ao ano, nos dias 8 e 9 de setembro.

Segundo o comunicado, a decisão pela manutenção da taxa se deu pela ainda lenta recuperação do país, assim como pela inflação na região estar controlada.

Em relação ao crédito, a minuta apontou também que continua fraco. O crescimento anual do total de empréstimos a pessoas físicas ficou inalterado em 0,8% em julho. Além disso, segundo a ata, uma série de indicadores mostra abrandamento na atividade.

Diante disso, "a curto prazo, as expectativas em relação a inflação seguem à deriva, o que demonstra incertezas, principalmente nas mudanças do preços de energia", reiterou o BoE. Para isto, alguns membros enfatizam que é necessário novas medidas para o controle da inflação. Esta última decisão não foi unânime, com Andrew Sentance votando contra, para aumento de 0,25 ponto percentual.

(NM - Agência IN)