Moçambique é o 59º país a proibir uso de amianto

SÃO PAULO, 21 de setembro de 2010 - Moçambique, no continente africano, foi o 59º país no mundo a banir o amianto de seu território. A proibição abrange a importação, exportação e comercialização do mineral e seus derivados. Este é o sexto país da África que adota a ofensiva contra o amianto enquanto na América do Sul apenas três tomaram esta atitude: Argentina, Uruguai e Chile. O Brasil ainda permite o uso do amianto tipo crisotila pela indústria de fibrocimento.

"É uma contradição um País que está sob os holofotes do mundo pelo seu crescimento, com obras de infraestrutura e para sediar eventos esportivos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, ainda tenha que conviver com uma matéria-prima cancerígena como o amianto. Isto é um retrocesso", afirma o presidente da Associação Brasileira de Indústria e Distribuidores de Produtos de Fibrocimento (Abifibro), João Carlos Duarte Paes. "O Brasil, por uma questão de saúde, precisa banir logo o amianto e tem tudo para isto", completa.

A indústria brasileira de fibrocimento já está preparada para substituir o amianto, sem que isto cause desemprego e aumento no preço dos produtos, utilizando as fibras de Polipropileno (PP) e Álcool Polivinílico (PVA), analisadas e aprovadas pelo Ministério da Saúde e consideradas não cancerígenas pelo YARC.

Quatro estados brasileiros já aboliram o mineral de seu território: São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Pernambuco. Tramita na Câmara dos Deputados um relatório que servirá de consulta para futuros projetos de lei que visam banir o amianto. Este documento, caso aprovado, otimizaria o processo de banimento.

(Redação - Agência IN)