Brasil quer ampliar cooperação em inovação com os EUA

SÃO PAULO, 21 de setembro de 2010 - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge, disse hoje durante a cerimônia de abertura da 2ª Conferência de Inovação Brasil/Estados Unidos, promovida pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que a cooperação entre os dois países tem avançado rapidamente e tem muito a progredir.

"Essa conferência é uma iniciativa fundamental nesse sentido (de aprofundar as relações entre os dois países). Os Laboratórios de Aprendizagem em Inovação feitos desde 2007 permitiram novas parcerias e consolidaram sólidas redes de relacionamento, abrindo espaço para importantes negócios bilaterais", afirmou o ministro.

Ele citou a extensão do acordo firmado entre os dois países em junho para resolver a disputa em torno dos subsídios americanos ao algodão como um dos principais resultados dessa cooperação. O Brasil ganhou na OMC (Organização Mundial do Comércio) o direito de impor sanções a produtos americanos em mais de US$ 800 milhões, mas o acordo feito entre os dois governos evitou a imposição de retaliações.

O ministro lembrou ainda que o aumento da validade dos vistos de trabalho e turismo de cinco para dez anos e no número de vôos entre os dois países também mostram como o relacionamento com os Estados Unidos tem avançado. Há acordos também na área de metrologia e pesquisas de saúde.

A representante adjunta para o Comércio dos Estados Unidos, Miriam Sapiro, afirmou que o atual governo americano "está interessado numa relação bilateral com novo tom, em que os dois países trabalhem juntos para identificar soluções mútuas e benéficas". Segundo Sapiro, a cooperação está baseada na democracia, comércio e estabilidade regional.

(Redação - Agência IN)