Sexta-feira encerra com bolsas sem tendência comum

SÃO PAULO, 17 de setembro de 2010 - A divulgação de notícias em direções opostas norteou os negócios nas principais bolsas de valores mundiais nesta sexta-feira.

Nos Estados Unidos, apesar da inflação em linha com as estimativas, a confiança do consumidor do país decepcionou os investidores ao recuar para 66,6 pontos em setembro. O número veio abaixo das estimativas dos analistas que esperam expansão para 70 pontos.

Apesar dos números, o mercado acionário norte-americano encerrou em leve alta. Isso porque, segundo analistas, os resultados trimestrais divulgados ontem da Oracle e do fabricante do Blackberry impulsionaram ações do setor de tecnologia. Em Nova York, o índice Dow Jones Industrial Average subiu 0,12%, aos 10.607 pontos. O S&P 500 avançou 0,08%, aos 1.125 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq ganhou 0,54%, aos 2.315 pontos.

Já na Europa, as bolsas de valores recuaram, com os agentes digerindo indicadores em direções opostas dos Estados Unidos e velho continente. Dentre os números, o índice de preço ao produtor alemão cresceu 3,2% em agosto, contra igual período do ano anterior. O índice FTSE-100, de Londres, caiu 0,57%, aos 5.508 pontos, o CAC-40, de Paris, recuou 0,38%, aos 3.722 pontos. O DAX, de Frankfurt, teve desvalorização de 0,64% aos 6.209 pontos.

Na Argentina, o Índice Merval, da bolsa de valores de Buenos Aires, encerrou com incremento de 1,08%, aos 2.473 pontos.

Internamente, o Ibovespa registrou descolamento das bolsas norte-americanas, em função da capitalização da Petrobras, e terminou com desvalorização de 0,85%, aos 67.089 pontos. O giro financeiro da bolsa fechou em R$ 5,060 bilhões. Segundo Luiz Roberto Monteiro, assessor de investimentos da Corretora Souza Barros, o Ibovespa vai operar descolado do comportamento externo até o final do mês por conta do processo.

Na renda fixa, a curva de juros futuros marcou estabilidade no curto prazo, mas subiu nos vencimentos mais longos. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011 apontou taxa anual de 10,66%. No câmbio, o dólar comercial acabou com leve queda, e ficou vendido a R$ 1,718.

Nas commodities, os preços do petróleo recuaram no mercado internacional, refletindo o recuo na confiança do consumidor norte-americanos. Com isso, o barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em outubro, caiu 1,3% para US$ 73,64 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). E o barril do tipo Brent, com vencimento em novembro, recuou 0,5% cotado a US$ 78,08 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)