Após operar de lado, índices podem tomar fôlego

SÃO PAULO, 17 de setembro de 2010 - Após os principais mercados mundiais terem operado de lado ao longo de toda semana, poderão tomar certo fôlego nesta sessão, segundo André Perfeito, economista da Gradual Corretora. "Hoje a agenda econômica é fraca. O mercado deve ficar bastante solto e pode se ajustar, após vários dias sem ganhos significativos", disse, acrescentando que o único indicador importante é o índice que mede a confiança do consumidor norte-americano. A expectativa é de que o dado avance de 68,9 pontos, para 70 pontos.

Ele destacou que o movimento comprador deve voltar a prevalecer também aqui no Brasil. "Com as últimas oscilações, acabou sendo gerado pontos de compra, que devem atrair o investidor", disse.

Neste sentido, os índices futuros de Wall Street apontam alta. Na Europa, os principais índices acionários avançam. Há pouco, o índice FTSE-100, de Londres, crescia 0,24% aos 5.553 pontos. O CAC-40, de Paris, tinha acréscimo de 0,10%, aos 3.740 pontos e o DAX, de Frankfurt, ganhava 0,07% aos 6.253 pontos.

No continente, hoje foi revelado que a conta corrente (corrigida sazonalmente) da zona do euro registrou em julho déficit de ?3,8 bilhões, contra perda anterior de ?4,6 bilhões. No acumulado de 12 meses, também corrigido sazonalmente, a conta corrente no mês de julho de 2010 registrou déficit de ?49,8 bilhões, frente ?130,4 bilhões no mesmo intervalo no ano passado.

E os mercados da Ásia encerraram o último pregão da semana com ganho, com a previsão, divulgada pelo Rabobank, de que as principais economias da região, principalmente a China, vão manter as taxas de crescimento econômico mais avançadas do que as outras grandes potências no mundo.

Ainda sob o efeito da intervenção do governo no mercado de divisas, os ganhos em Tóquio continuaram. Com o iene desvalorizado, o fluxo das exportações aumentou, alavancando as ações das empresas exportadoras, com destaque para as montadoras e tecnológicas. Além disso, o dia também apresentou um volume grande nas compras do iene, com os investidores aproveitando a baixa da moeda e visando futuros negócios.

Fechando o cenário de boas notícias para os índices asiáticos, o número de pedidos de seguro-desemprego caíram durante a semana, atingindo o menor nível em 2 meses.

Assim, em Tóquio, o índice Nikkei 225 subiu 1,23%, para 9.626,09 pontos. Em Seul, o índice Kospi ganhou 0,86%, para 1.827,35 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng avançou 1,29%, para 21.970,86 pontos. Ao contrário da maioria das bolsas asiáticas, Xangai terminou a semana com perdas, com o índice Xangai Composto recuando 0,15%, para 2.598,69 pontos.

(Carina Urbanin - Agência IN)