Uso do FGTS na capitalização preserva a aplicação

S O PAULO, 14 de setembro de 2010 - O investimento de recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) em ações da Petrobras (PETR3, PETR4) preserva a aplicação feita no ano 2000, de acordo com avaliação de Ricardo Almeida, professor de finanças do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper).

Segundo o analista, a alta das ações da empresa depois da descoberta do pré-sal justificam o procedimento. "Este formato preservou o direito de quem já tinha aplicação de FGTS e que viu a valorização depois do pré-sal. Então neste caso, o investidor vai restituir aquela receita e manter o poder sobre os ganhos", explicou.

Almeida, por outro lado, ponderou que o novo investimento só é vantajoso caso o cotista não tenha intenção de mexer nos valores por pelo menos cinco anos. "Sem dúvida vale a pena, já que a pessoa tem rentabilidade baixa no FGTS. Outro ponto é o risco de cair o valor das ações, o que existe. Quem não tiver uso programado nos próximos cinco anos ou tiver plano de aposentadoria definido é a melhor maneira de aplicar", explicou.

O prazo para subscrição de interesse no uso do FGTS na capitalização começou ontem (13) e termina na próxima quinta-feira (16). Cerca de 90 mil pessoas ainda possuem investimentos nos fundos mútuos de privatização.

(Humberto Domiciano - Agência IN)