Preços do GNL seguem com tendência de baixa

S O PAULO, 15 de setembro de 2010 - A médio prazo, o cenário de abundância de gás não-convencional no mercado norte-americano tenderá a manter os preços do gás natural em um patamar reduzido. A previsão foi feita hoje pelo engenheiro químico Marcelo Alfradique, autor de estudo sobre o mercado global do GNL (Gás Natural Liquefeito) em parceria com três colegas da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) (Marco Radu, Wellington Campos e Carlos Pacheco).

"Com a demanda enfraquecida e novas fontes de liquefação que entraram em operação, o mercado global de GNL passou de favorável ao vendedor a favorável ao comprador", observou o especialista da EPE, que apresentou o estudo na sessão técnica "Tendências dos Mercado Global de GNL", na Rio Oil & Gas.

Afetado pela crise econômica de 2008, o mercado global do GNL já iniciou no ano passado um tênue processo de recuperação, mas que ainda não resultou em aumentos significativos nos volumes praticados, relatou Alfradique.

O quadro do GNL no Brasil foi qualificado pelo engenheiro químico como "ainda incipiente, mas em expansão". Já há dois terminais de regaseificação no Brasil _em Pecém (Ceará), com capacidade para processar 7 milhões de m3/dia; e na Baía de Guanabara (RJ), com 14 milhões m3/dia. "Temos ainda a sinalização de dois novos terminais capacitados para processar 14 milhões de m3/dia, com operação a se iniciar em 2014, e uma unidade de floating LNG, para o pré-sal, a partir de 2015", concluiu.

(Redação - Agência IN)