Wall Street segue pesando e Ibovespa cede

S O PAULO, 26 de agosto de 2010 - Após os investidores terem se animado pela manhã com a divulgação de um indicador bom nos Estados Unidos, preocupações em relação à recuperação lenta da região voltaram a pesar, invertendo a tendência em Wall Street e consequentemente aqui. Há pouco, o Ibovespa recuava 0,21%, aos 64.666 pontos. O giro financeiro da bolsa estava em R$ 2,763 bilhões.

Hoje foi revelado que o número de novos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos recuou em 31 mil na última semana. As solicitações passaram de 504 mil na semana passada para 473 mil. O dado veio melhor do que o projetado pelo mercado, que apostava em 485 mil pedidos. Entretanto, à espera pelo anúncio do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano, amanhã, o dado bom perdeu força.

"Amanhã sai a segunda prévia do PIB dos Estados Unidos referente ao segundo trimestre. É sem dúvidas o evento mais importante da semana. A previsão é de revisão de 2,4% para 1,4%. Se isso realmente acontecer será bastante ruim", disse, André Perfeito, economista da Gradual Corretora, completando que seria bastante natural um movimento negativo hoje nos índices acionários, já que os investidores podem preferir não ficar "expostos" à divulgação de um dado ruim.

Por sua vez, Mitsuko Kaduoka, analista de investimentos da Indusval Corretora, acrescentou que havia certo otimismo entre os investidores na expectativa pelo anúncio de medidas de estímulo econômico durante discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Ben Bernanke, também amanhã. "Entretanto, estamos na véspera do discurso e não houve sinalização do governo em relação aos possíveis estímulos", destacou.

Segundo economista da Gradual Corretora, estas ações de estímulo poderiam não fazer muito efeito. "Até geraria certo otimismo. Mas a verdade é que não se tem muito que fazer. A economia norte-americana precisa de tempo", disse.

Outro fator que colaborou para a cautela dos agentes foi à notícia de que a Freddie Mac anunciou hoje que as taxas de hipoteca caíram para o nível mais baixo em décadas, pela nona vez consecutiva em 10 semanas, o que demonstra fraco crescimento da economia norte-americana.

Internamente, hoje as blue chips Vale e Petrobras limitam as quedas do Ibovespa. Após vários pregões em baixa, as companhias se recuperam. Há pouco, as ações preferenciais da Petrobras avançavam 0,08% e as da Vale cresciam 0,51%.

Para Mitsuko Kaduoka, as ações da mineradora voltam a crescer diante da valorização das commodities no mercado internacional. Já a Petrobras, segundo ela, deverá seguir de lado, em meio à persistencias das incertezas em relação ao processo de capitalização da companhia. "O governo terá que pensar muito bem esta operação, ou será impossível as ações da estatal seguirem nos seus preços", disse.

(Carina Urbanin - Agência IN)