RSA registra lucro antes de impostos de 302 milhões de libras

S O PAULO, 23 de agosto de 2010 - Mesmo com incidentes climáticos e com o terremoto no Chile, o Grupo RSA anunciou resultados expressivos para o segundo trimestre de 2010, com prêmios de 3,8 bilhões de libras esterlinas, 9% acima do registrado no mesmo período do ano anterior, e lucro antes de impostos de 302 milhões de libras esterlinas. O índice combinado da companhia ficou em 94,8%, praticamente estável e dentro da meta estabelecida (95%).

O Grupo RSA divide a sua estrutura global de negócios em três regiões: Reino Unido, onde fica a matriz; Internacional, onde estão países com economia consolidada, como Escandinávia, Irlanda, Itália e Canadá, e Mercados Emergentes, onde está inserido o Brasil e os demais países da América Latina, além de Ásia, Oriente Médio, países Bálticos e Europa Central e Oriental.

Considerada estratégica para o Grupo, Mercados Emergentes foi a região com crescimento mais expressivo (18%), de 373 milhões para 441 milhões de libras esterlinas, com destaque para a forte expansão na Índia (31%) e na América Latina (29%), reflexo do desempenho de Brasil, Argentina, Colômbia e Uruguai.

"A RSA entregou mais uma vez um desempenho robusto. Estamos conduzindo a nossa expansão por meio de crescimento orgânico e colhendo os benefícios das recentes aquisições. A resiliência do resultado atesta a nossa carteira diversificada, o nosso foco na disciplina de subscrição, a prudência com relação ao resseguro e as políticas de investimento adequadas", comenta Andy Haste, CEO do Grupo RSA.

Responsável por quase 50% do total dos prêmios do grupo, a região Internacional também teve resultado favorável. Os prêmios subiram 7% (de 1,7 bilhão para 1,8 bilhão de libras esterlinas), puxados pelo crescimento no Canadá (23%) e na Irlanda (3%).

No Reino Unido, os prêmios cresceram 9% (de 1,3 bilhão para 1,4 bilhão de libras esterlinas). A região respondeu por aproximadamente 40% do total de prêmios da companhia no período.

"Estamos otimistas com a perspectiva para o Grupo no segundo semestre. A RSA espera manter a expansão nesse patamar, para que possamos atingir um índice combinado operacional de aproximadamente 95% para o ano. O aumento de 7% nos dividendos reflete a nossa visão positiva para o Grupo", conclui Haste.

(Redação - Agência IN)