Projeções de curto prazo sinalizam estabilidade da Selic

S O PAULO, 23 de agosto de 2010 - O movimento na curva de juros futuros continua sendo de estabilidade no curto prazo e queda nos prazos mais longos por conta da piora na percepção da economia global. Na BM&FBovespa o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011 projetava juro de 10,67%, mesmo do ajuste anterior. O DI de janeiro de 2017 apontava taxa anual de 11,11%, contra 11,26% do último fechamento.

Operadores de renda fixa avaliam que a ponta mais curta da curva de juros sinaliza que o ciclo de aperto monetário chegou ao fim com a taxa Selic em 10,75% ao ano. Já no longo prazo a curva é mais sensível ao cenário externo que revela crescimento mundial menor e juros baixos por mais tempo.

Silvio Campos Neto, economista do Banco Schahin, comenta que a agenda desta semana trará dados de crédito e desemprego, que devem confirmar o bom momento da economia brasileira. O economista lembra que diversos números recentes têm indicado que, a despeito de uma acomodação observada no segundo trimestre, os condicionantes para o crescimento persistem - todavia, não há sinais de aquecimento excessivo.

Campos Neto ressalta ainda que com a inflação bem contida no curto prazo e dados de atividade mais moderado, o colegiado do Banco Central (BC) deve manter inalterado os juros básicos da economia brasileira, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do dia 1º de setembro.

Na pauta desta segunda-feira, os agentes financeiros avaliam mais um dado sobre a inflação brasileira. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 22 de agosto deste ano registrou deflação de 0,17%.

Na sequência foi divulgado o boletim Focus revelando que a estimativa de inflação (IPCA) para 2010 recuou para 5,10%, ante 5,19% na semana passada. Em relação às apostas para a taxa básica de juros (Selic), os analistas recuaram as projeções deste ano para 10,75% frente os 11% da previsão da semana anterior.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)