Pesquisa mostra que só 40% dos alunos concluem o inglês

S O PAULO, 27 de agosto de 2010 - Somente 40% dos alunos de inglês concluem os núcleos que começam. A maioria dos estudantes já passou por três ou quatro escolas antes de conseguir algum sucesso. Muitos estudantes que ganham bolsas das empresas onde trabalham faltam à maioria das aulas.

Segundo Maynard Farrell, Diretor da Consultoria UP Language Consultants, que promove a certificação de professores de inglês na metodologia Celta, desenvolvida pelo Examinations Board da Universidade de Cambridge, o problema pode não estar nos alunos, mas nos professores.

"Não temos um MEC para as escolas de inglês no Brasil, daí porque muitas contratam professores que podem até falar bem, mas em muitos casos têm pouca experiência didática e ensinam mal, levando as pessoas a um baixo aprendizado. Mesmo pessoas com mestrado em inglês e bons conhecimentos da obra de Shakespeare, por exemplo, podem ensinar mal, daí porque treinar os professores para o ensino de inglês é algo que deveria ser exigido de toda escola", assinala.

Para Farrell, nas escolas de inglês europeias, professor algum é contratado sem a certificação mínima que é o Celta.

"O Celta é Certificate in Teaching English to Speakers of other languages. Na Europa, após esta certificação vários professores conquistam a DELTA, que significa Diploma in English Language Teaching to Adults. No Brasil, qualquer um pode dar aulas de inglês e o resultado disso pode ser o fato de que as pessoas têm dificuldades em aprender, têm pouco entusiasmo e acabam perdendo dinheiro", explica Farrell.

Segundo Carol Olival Trovó, Diretora Pedagógica do Wall Street Institute, embora muitos acreditem que o inglês é uma língua difícil, na verdade esse idioma é de fácil aprendizado quando comparado, por exemplo, com outras línguas latinas.

"O inglês é mais fácil de aprender pois a língua tem uma certa lógica, uma dinâmica que não encontramos no português e no espanhol, por exemplo. Talvez a dificuldade dos alunos possa estar mesmo relacionada ao modo como o inglês é ensinado", explica.

Carol lembra que até o ensino superior, a maioria das pessoas já entrou em contato com a parte teórica do inglês como conjugação de verbos, por exemplo. No entanto, a maneira como o idioma foi ensinado na maioria das escolas, tanto particulares quanto públicas, não estimula a prática do inglês falado, da conversação, algo decisivo para quem precisa usar o idioma no dia a dia de trabalho.

(Redação - Agência IN)