Mesmo com incertezas externas dólar cede

S O PAULO, 26 de agosto de 2010 - A moeda norte-americana perdeu força para as principais divisas mundiais, inclusive a brasileira e fechou com desvalorização de 0,11%, cotada a R$ 1,762 para venda. Mantendo a rotina, o Banco Central (BC) comprou dólares no mercado à vista a uma taxa média de R$ 1,7623.

Analistas avaliam que apesar das incertezas com a economia externa a moeda norte-americana não deve ultrapassar o patamar de R$ 1,78 e um dos fatores que ajuda a equilibrar a divisa é a expectativa com a capitalização da Petrobras. Vale ressaltar que membros do governo e da estatal sinalizaram que a operação ocorrerá mesmo em setembro.

No front externo, nem a queda dos novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos teve forças suficiente para animar os investidores que adotam a cautela diante da expectativa em relação a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano do segundo trimestre prevista para amanhã. No mesmo dia, o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central do país) irá discursar.

Na agenda externa destaque para o número de novos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos que recuou em 31 mil na última semana. O número de solicitações decresceu de 504 mil na semana passada para 473 mil. O dado veio melhor do que o projetado pelo mercado, que apostava em 485 mil pedidos.

Internamente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a taxa de desemprego no Brasil caiu para 6,9% em julho, ante 7% em junho. Esta foi a menor desde dezembro de 2009, a segunda menor leitura da história e o menor dado para um mês de julho da série histórica iniciada em 2002.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)