Livro Bege indica desaceleração da atividade econômica dos EUA

S O PAULO, 8 de setembro de 2010 - O Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), relatório elaborado pelos doze escritórios regionais da entidade monetária, apontou nesta quarta-feira que a atividade econômica dos Estados Unidos se manteve em crescimento moderado entre julho até o final de agosto, no entanto, com amplos sinais de que ocorre uma desaceleração na economia do país na comparação com os períodos anteriores.

De acordo com o documento, foi registrado aumento moderado em pelo menos cinco distritos do Oeste dos EUA, Saint Louis, Minneapolis, Kansas City, Dallas e San Francisco. Os relatórios de Boston e Cleveland também sinalizaram uma evolução positiva ou melhoria na liquidez em comparação com o período anterior.

"No entanto, o restante dos distritos como Nova York, Filadélfia, Richmond, Atlanta e Chicago [os mais importantes dos EUA] destacaram condições mistas ou de desaceleração na atividade econômica global", ressaltou o Livro Bege.

Na média, os gastos do consumidores norte-americanos aumentaram no período julho até o final de agosto, apesar do equilíbrio e da precaução limitarem as compras de produtos não-essenciais, enquanto a atividade no setor de viagens e turismo cresceu de forma surpreendente para os padrões de sazonalidade.

O relatório revelou ainda que a atividade foi bastante estável ou ligeiramente ascendente para os profissionais de serviços não-financeiros. No tocante à atividade manufatureira, o documento apontou para uma maior expansão, "embora o ritmo de crescimento tenha se arrefecido em vários distritos".

Os produtores agrícolas e extratores de recursos naturais, por sua vez, notaram avanços contínuos na demanda e nas vendas. No mercado imobiliário dos Estados Unidos, responsável pela crise financeira de 2008, as vendas de casas novas desaceleraram ainda mais após o vencimento do crédito fiscal aos compradores no final de junho, provocando também um abrandamento da atividade da construção civil. "A demanda por imóveis comerciais continua bastante fraca, mas mostrou sinais de estabilização em algumas áreas", assinala a autoridade monetária.

Segundo o Fed, os relatórios de instituições financeiras apontaram para estabilidade ou procura ligeiramente menor de empréstimos, mantendo a liquidez creditícia da economia, no entanto, eles perceberam melhoria modesta na qualidade creditícia em detrimento da quantidade de liberações.

As pressões altistas sobre os preços foram bastante limitadas para a maioria das categorias de bens e serviços finais, "apesar dos preços mais elevados para determinadas commodities, tais como grãos e alguns materiais industriais". Por sua vez, os salários também sofreram limitações, embora alguns distritos tenham observado aumento das pressões também de forma ascendente em um conjunto restrito de setores, "enfrentando um descompasso entre as exigências da função e as competências dos indivíduos".

(SV - Agência IN)