Expectativa por ingressos de recursos favorece queda do dólar

SÃO PAULO, 9 de setembro de 2010 - Expectativa de forte entrada de recursos externos, com captações de companhias, entre as quais a Petrobras, cuja capitalização é aguardada para o final deste mês estimula a queda do dólar comercial. Há pouco, a divisa era cotada a R$ 1,724 para venda, leve desvalorização de 0,06%.

Para analistas as expectativas de aumento de fluxo de dólares para o País, reforçadas pelo intenso noticiário sobre as captações brasileiras no exterior e pela capitalização da Petrobras, devem continuar exigindo que o Banco Central (BC), a exemplo de ontem, adote uma postura mais agressiva para evitar que as cotações rompam o "piso" de R$1,70, especialmente se o cenário externo continuar com o viés positivo deste início de dia.

Em relatório, a AGK Corretora avalia que neste caso, o BC poderá reforçar as compras diárias, além de voltar a sinalizar a realização de leilões de swap cambial reverso (modalidade em que as instituições financeiras compram contratos e recebem uma taxa de juros e o BC ganha a variação cambial no período dos contratos). Já se os investidores reforçarem as posições defensivas nos mercados internacionais, o BC pode conseguir manter as cotações entre R$1,72 e R$1,74, apenas aumentando um pouco as compras diárias.

Na Europa, as bolsas mantém o viés positivo nesta manhã, destaque para o bom desempenho de montadoras, mineradoras e bancos, enquanto varejistas operam em queda. Mercado reduz a apreensão quanto ao aumento da oferta de bônus de países com maior risco fiscal, buscando manter o processo de recuperação observado no pregão de ontem, mesmo após a divulgação de um Livro Bege confirmando o desempenho mais fraco da economia americana em julho e meados de agosto.

Nos EUA os futuros operam em alta, destaque para os dados sobre o mercado de trabalho e estoques de petróleo.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)