Mulheres atraem atenção do mercado financeiro

S O PAULO, 17 de agosto de 2010 - Pesquisas recentes apontam para o aumento da participação das mulheres no mercado financeiro. Atualmente, este público já corresponde a cerca de 24% dos investidores pessoas físicas registrados na BM&FBovespa. A Lerosa Investimentos, há 50 anos atuando no mercado brasileiro, aposta no atendimento personalizado para orientar as investidoras em seu planejamento financeiro.

Para Alexandra Almawi, gerente comercial da Lerosa Investimentos, as mulheres tendem a priorizar os cuidados com marido e família e dar pouca atenção às próprias finanças. "Com tantas atribuições, a mulher acaba tendo seu capital diluído e delega a organização do orçamento doméstico ao cônjuge", afirma a executiva. Entretanto, a popularização do mercado de investimentos tem aguçado o interesse feminino e um novo cenário está se delineando: hoje 90% das mulheres são responsáveis pelas próprias finanças em algum momento da vida.

"Quando decidem tratar de suas finanças, as mulheres quebram a primeira barreira, mas é preciso quebrar a segunda, que vai além de identificar a proposta de um banco, de avaliar os custos do investimento", aponta Alexandra. "Todos precisam de assessoria profissional capacitada a gerenciar os possíveis riscos de um investimento", completa.

Segundo Alexandra, as mulheres têm um perfil mais conservador que os homens. "Durante um tempo, as mulheres tem mantido certo conservadorismo financeiro, muito em decorrência da preocupação em direcionar seus recursos à família, que resulta no receio em fazer composições e investir seu dinheiro em longo prazo. No entanto, isso tem mudado".

Como resposta a esse novo momento, os planejadores financeiros avaliam o que é mais eficiente para elas, apontando erros e acertos. Começando por organizar as finanças, rentabilizar os investimentos e planejar mudanças na vida, considerando-se o perfil de cada mulher. "O medo é um fator que não pode existir quando se fala de finanças. É preciso ter conhecimento do que é risco e escolher bons profissionais para gerenciar isso", afirma Alexandra.

A executiva dá algumas dicas, dentre elas, peça sempre desconto para pagamentos à vista. Se não houver, parcele. "Assim o dinheiro que sobra pode ser investido, ainda que sejam pequenas quantias", friza.

Outra dica é pesquise as melhores taxas de administração. O banco pode ter diferentes taxas para o mesmo tipo de investimentos. "Um dos erros mais comuns cometidos por homens e mulheres é investir no mesmo banco em que se tem conta corrente sem pesquisar outras alternativas, apenas por comodidade", observa.

Além dos bancos, as gestoras de recursos (assets) oferecem boas alternativas de investimentos e, por serem independentes, conseguem melhores taxas. "Há 10 anos, essas gestoras ainda não existiam no Brasil e por isso não temos cultura de procurá-las", diz Alexandra.

Vale ressaltar que quando a Bovespa está em alta, o assunto se dissemina, pessoas do círculo social afirmam ter ganhado dinheiro com ações e as mulheres correm para aproveitar esse momento. "Este é um grande erro, pois compram quando o preço está muito alto". "Busque informação para não ter um 'comportamento de manada'. Em períodos de baixa no mercado, os leigos tiram as ações, realizando a perda. Se o papel está desvalorizado, mas você continua com ele, o valor pode subir novamente", finaliza.

(MLC - Agência IN)