Indicadores positivos elevam bolsas de valores

S O PAULO, 17 de agosto de 2010 - Após dias de instabilidade nas principais bolsas de valores mundiais, o movimento positivo voltou a predominar com os investidores analisando o dado surpreendente da produção industrial dos Estados Unidos, o que sinaliza uma recuperação econômica mais rápida.

Em Wall Street, as bolsas da região sobem mais de 1,5%. Ainda por lá, foi revelado que a produção industrial do país apresentou avanço de 1,0% em julho depois de ter recuado 0,1% no mês anterior. Além disso, o Índice de Preços ao Produtor norte-americano (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,2% em julho. No sentido oposto, as licenças concedidas nos Estados Unidos para novas construções caíram 3,1% na comparação com o mês anterior.

No setor corporativo, destaque para o Walmart que anunciou crescimento de 3,6% no lucro líquido do segundo trimestre fiscal de 2011, somando US$ 3,69 bilhões.

Na Europa, as principais praças acionárias encerraram em alta. Ao final do pregão, o índice FTSE-100, de Londres, avançou 1,41%, aos 5.350 pontos. O CAC-40, de Paris teve valorização de 1,45%, aos 3.663 pontos e o DAX, de Frankfurt, subiu 1,57% aos 6.206 pontos.

Além do indicador dos Estados Unidos, os investidores acompanharam a melhora significativa no sentimento econômico na zona do euro, que passou de 29,7 pontos em julho para 44,3 pontos em agosto.

Por aqui, o Ibovespa segue o otimismo externo e há pouco crescia 1,33%, impulsionado pela valorização das ações da blue chip Petrobras. No lado das empresas, destaque para PDG, que anunciou lucro líquido ajustado de R$ 220 milhões no segundo trimestre deste, disparando 178%.

Na renda fixa, os dados de inflação puxam a curva de juros futuros para baixo. Instante atrás, o Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011, projetava taxa anual de 10,73%. E no câmbio, o dólar comercial encerrou a primeira etapa dos negócios em queda, vendido a R$ 1,75.

(Redação - Agência IN)