Faturamento do PIM cresce 54,82% no 1º semestre

S O PAULO, 9 de agosto de 2010 - Faturamento recorde, volume crescente de exportações e mais de cem mil empregos diretos gerados: desta forma pode ser resumido o desempenho do Polo Industrial de Manaus (PIM) no primeiro semestre deste ano.

No período de janeiro a junho deste ano, o PIM faturou US$ 15,955 bilhões, montante 54,82% superior ao faturamento obtido em igual período do ano passado (US$ 10,305 bilhões). O valor é 5,69% maior, inclusive, que o alcançado no mesmo intervalo de 2008 (US$ 15,096 bilhões), ano em que o polo registrou recorde no faturamento global (US$ 30,1 bilhões).

As vendas ao mercado externo totalizaram no primeiro semestre US$ 520,038 milhões, o que representa um crescimento de 40,89% em relação ao primeiro semestre do ano passado (US$ 369,115 milhões).

Entre os principais mercados consumidores dos produtos made in ZFM destacaram-se a Argentina (compras de US$ 194,259 milhões e 35% de participação na pauta de exportações do PIM), Venezuela (compras de US$ 48,431 milhões e 8,89% de participação) e Colômbia (compras de US$ 47,166 milhões e 8,66% de participação).

A mão-de-obra do Polo Industrial de Manaus segue em ritmo mensal de crescimento. Em junho, o PIM registrou alta nesse indicador pelo sexto mês consecutivo, alcançando 101.157 trabalhadores empregados, entre efetivos, terceirizados e temporários. O resultado representa um crescimento de 0,90% ante maio (100.252 trabalhadores) e um incremento de 15,56% sobre junho de 2009 (87.530 trabalhadores).

Com os bons resultados, o PIM encerrou o primeiro semestre com uma média mensal de 98.615 empregos diretos gerados, um crescimento de 9,72% em relação à mão-de-obra média mensal obtida no mesmo período do ano passado (89.877 trabalhadores).

Segundo a superintendente da Zona Franca de Manaus, Flávia Grosso, o faturamento recorde do semestre, aliado aos bons números de exportações e mão-de-obra, demonstram que o PIM vivencia um momento extremamente positivo e seus produtos continuam ganhando força nos mercados nacional e internacional.

"O desempenho pode ser atribuído principalmente a setores-chave como Eletroeletrônico e Duas Rodas, mas outros segmentos também vem atraindo investimentos que só contribuirão para ampliar ainda mais a cadeia produtiva da indústria regional", apontou a superintendente.

(Redação - Agência IN)