Com agenda fraca, dados sem peso podem animar

S O PAULO, 18 de agosto de 2010 - Em dia de agenda fraca, indicadores econômicos de pouca relevância nos Estados Unidos e na Europa podem ganhar destaque nesta quarta-feira, segundo André Perfeito, economista da Gradual Corretora.

Hoje foi revelado que a atividade da indústria de construção na zona do euro, tanto no setor público como privado, cresceu 2,7% no mês de junho de 2010, em comparação com o mês anterior. E nos Estados Unidos, foi divulgado que aumentou o número de fichas aplicadas por interessados na compra de novas casas. "Os dois dados vieram bem melhores do que o esperado pelo mercado. Em um dia normal, teriam pouca expressão, mas diante da agenda fraca do dia eles ganham destaque e devem levar otimismo aos negócios", avaliou o economista.

Entretanto, os principais índices acionários da Europa operam em queda nesta quarta-feira. Há pouco, o índice FTSE-100, de Londres, tinha baixa de 0,64% aos 5.316 pontos. O CAC-40, de Paris, recuava 0,22%, aos 3.655 pontos e o DAX, de Frankfurt, perdia 0,02% aos 6.206 pontos. "Os índices europeus poderão inverter tendência após a abertura em Wall Street, acompanhando os índices acionários norte-americanos, caso abram com ganhos", disse Perfeito.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem definir tendência, em um dia marcado pela valorização das ações de grandes empresas do varejo e pela melhora do sentimento dos investidores em relação aos dados econômicos dos Estados Unidos, após o anúncio no país norte-americano de um investimento US$ 39 bilhões no setor agrícola.

Além disso, a valorização de ações de gigantes como a Toyota Motor Corp, do Japão e da Woodside Petroleum, da Austrália, também foram importantes para definir a direção do encerramento no mercado asiático no dia de hoje. Os ganhos não foram maiores devido a continua alta do iene frente ao dólar e a queda nos preços das ações da mineradora BHP Billiton.

Em Tóquio, o índice Nikkei 225 subiu 0,86%, para 9.240,54 pontos, enquanto que em Seul, o índice Kospi cresceu 0,40%, para 1.761,99 pontos. Já em Xangai, o índice Xangai composto recuou 0,21%, para 2.666,30 pontos, e em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,54% para 21.022,73 pontos.

Internamente, Perfeito avaliou que os ganhos poderão ser mais expressivos, não só hoje, mas neste segundo semestre. "O mercado continuará acompanhando um crescimento modesto nos países desenvolvidos e isso deverá impulsionar investimentos nos emergentes. Neste sentido, o Brasil parecerá ainda mais interessante ao investidor internacional."

Ainda por aqui, hoje foi revelado que o Índice de Clima Econômico (ICE) no País permaneceu estável em 7,3 pontos entre abril e julho, segundo pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com o Instituto alemão Ifo. Houve melhora na percepção da situação atual (de 8,1 pontos para 8,4 pontos) e piora nas expectativas (de 6,4 pontos para 6,1 pontos).

(Carina Urbanin - Agência IN)