BP inicia operação para tapar poço no Golfo do México

S O PAULO, 3 de agosto de 2010 - A petroleira britânica British Petroleum (BP) começou nesta terça-feira sua operação para tentar selar permanentemente com cimento seu poço no Golfo do México, cujo vazamento está causando o pior desastre ambiental da história americana.

"A BP começou" as atividades nesta terça-feira "como parte das operações" para a selagem do poço, disse a empresa em comunicado. A operação consiste em injetar líquidos e matérias sólidas no duto danificado para posteriormente selá-lo com cimento.

De acordo com os dirigentes do grupo, os resultados da operação "static kill" devem sair em algumas horas e se a intervenção for bem-sucedida, deflagará outra operação, denominada "bottom kill", entre os dias 11 e 15 de agosto.

A "bottom kill" permitirá a confirmação do sucesso, ou do fracasso, da tentativa de cimentar o poço principal através de secundários. Em julho, a BP instalou uma espécie de receptáculo ou "funil" que interrompeu o vazamento. A BP prevê continuar com o plano de construção do poço auxiliar para interceptar eventuais infiltrações.

Na véspera, a BP anunciou a descoberta de um pequeno escapamento hidráulico no nível do tampo do poço, o que retardou o processo de intervenção. Mas hoje, o almirante Thad Allen, encarregado da luta contra a maré negra pelo governo norte-americano, informou que o vazamento foi interrompido durante a noite e que os trabalhos poderiam prosseguir.

Enquanto a BP tenta encerrar de vez o vazamento, novos dados oficiais confirmam que a explosão e naufrágio da plataforma Deepwater Horizon provocou a pior mancha de óleo da história dos Estados Unidos. Um total de 4,9 milhões de barris (780 milhões de litros) vazaram no mar, enquanto apenas 800.000 barris (127 milhões de litros) foram recuperados.

(Redação com AFP - Agência IN)