BB: crédito consignado e financiamento de carros e imóveis se destacam

Flávia Albuquerque, Agência Brasil

S O PAULO - As operações de financiamento de veículos do Banco do Brasil cresceram 178,4% nos seis primeiros meses deste ano em relação ao segundo semestre de 2009, totalizando R$ 22,8 bilhões ao final de junho. Cada vez mais o banco está se especializando em várias modalidades de crédito. Somos hoje muito fortes, por meio da parceria estabelecida com o Banco Votorantim, com o financiamento de veículos , disse o presidente do BB, Aldemir Bendine.

O crédito imobiliário, segundo Bendine, atingiu R$ 2,1 bilhões no semestre, com expansão de 84,9% em doze meses. De dois anos para cá passamos a atuar no crédito imobiliário e já somos o quinto banco nesse segmento, mesmo tendo começado há tão pouco tempo , explicou Bendine.

Para a micro e pequena empresas os financiamentos cresceram 20% no semestre e 4,8% no trimestre, com saldo de R$ 47,4 bilhões.

Bendine ressaltou ainda que o crédito consignado cresceu 37,1% nos últimos 12 meses, chegando aos R$ 40,5 bilhões. O crédito consignado é o nosso carro-chefe, onde temos possibilidade de oferecer aos nossos clientes o crédito mais barato do país , disse.

Em relação aos índices de inadimplência, ele informou que houve queda nas operações vencidas há mais de 90 dias, representando 2,7% da carteira de crédito, enquanto o Sistema Financeiro Nacional (SFN) registrou inadimplência de 3,7%. Quando há uma economia sólida que vem crescendo e se faz um trabalho forte em crédito, nós apostamos teremos uma inadimplência decrescente. Isso também se deve à própria composição da carteira de crédito dos bancos, que hoje estão trabalhando em linhas onde a taxa de risco é menor .

As receitas financeiras do Banco do Brasil (BB) totalizaram R$ 36,8 bilhões no primeiro semestre deste ano, 23,4% a mais do que no mesmo período do ano anterior, de acordo com o balanço divulgado hoje (16) pela instituição financeira. Desse total, as receitas provenientes do crédito somaram R$ 24,3 bilhões ante R$ 18,5 bilhões do primeiro semestre de 2009, o que resultou em uma expansão de 31,7%. Os ativos totais do banco somaram R$ 755,7 bilhões, 26,2% a mais do que no primeiro semestre do 2009 e 4,3% ante o trimestre anterior.

A carteira de crédito fechou o semestre com R$ 326,5 bilhões, expansão de 29,3% em doze meses e 6,9% no trimestre. Bendine informou que a carteira doméstica cresceu 28,2% em um ano e 6,6% sobre o primeiro trimestre de 2010. O aumento da carteira de crédito, segundo ele, se deveu ao crescimento do crédito à pessoa física, que superou os R$ 101,1 bilhões no final do segundo trimestre, com crescimento de 47,7% em um ano.