Setor sucroenergético emprega 1,28 milhão com carteira

SÃO PAULO, 23 de julho de 2010 - Em 2008, o setor sucroenergético empregou 1,28 milhão de pessoas com carteira assinada, 2,15% do total de postos de trabalho no Brasil. A maior parte dos empregos foi gerada pelo cultivo da cana (481 mil funcionários). Dados da Universidade de São Paulo (USP) mostram que o índice de formalidade de empregos no setor canavieiro vem crescendo, atingindo 80,9%, muito acima da média registrada por outras cadeias produtivas.

A ampliação do leque de alternativas aos combustíveis fósseis tem sido buscada por países em todos os cantos do mundo. O Brasil, porém, permanece na vanguarda há 35 anos. Foi em 1975 que o governo brasileiro criou o Pró-Álcool, dando maior impulso à cultura da cana. A partir de então, começou a trilhar um caminho de liderança mundial na produção de cana-de-açúcar e no desenvolvimento de novas tecnologias para o setor sucroenergético. São iniciativas como essas que garantem o pioneirismo brasileiro no setor sucroenergético.

"Além de elemento agrícola essencial na formação do Brasil, a cana-de-açúcar faz parte da vida do brasileiro. É uma cultura fantástica. Dela se obtém álcool combustível (etanol), açúcar, cachaça, rapadura, energia elétrica até plásticos, além de diversos produtos químicos", ressalta o diretor do Departamento de Cana-de-Açúcar e Agroenergia (DCAA), Alexandre Strapasson.

Strapasson aponta que o país desenvolveu técnicas próprias de plantio e colheita, tornando-se o maior produtor mundial de cana-de-açúcar. Com as novas variedades, a produtividade média por hectare passou de 47 toneladas em 1975, para 80 toneladas neste ano. Por conta disso, a produção de cana-de-açúcar prevista para a safra 2010/2011, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), é de 664 milhões de toneladas, em 8,1 milhões de hectares, recorde na história da cultura.

Atualmente, o estado de São Paulo tem a maior área plantada de cana, com 4,4 milhões de hectares, seguido por Minas Gerais, 648 mil hectares; Paraná, 608 mil hectares; Goiás, 601 mil hectares e Alagoas, 464 mil hectares. "A área total de cana plantada no Brasil ocupa apenas 0,95% do território nacional", diz o diretor do ministério.

(Redação - Agência IN)