Rating da Petrobras não será afetado com adiamento, diz S&P

SÃO PAULO, 25 de junho de 2010 - A Standard & Poor's (S&P) afirmou nesta sexta-feira que os anúncios recentes da Petrobras de adiar a oferta pública de ações para setembro de 2010 e de ampliar seu plano de investimentos em capital para US$ 224 bilhões no período 2010-2014 não têm impacto imediato sobre os ratings atribuídos à companhia.

"O perfil de crédito individual da Petrobras é 'BBB-', refletindo um perfil de risco de negócio satisfatório e um perfil de risco financeiro intermediário. Além disso, de acordo com a nossa metodologia aplicada a 'Entidades Vinculadas ao Governo' (GRE, na sigla em inglês), avaliamos como 'muito importante' o papel da Petrobras e como muito forte o seu vínculo com seu acionista majoritário, a República Federativa do Brasil, o que reflete a opinião da Standard & Poor's de que há uma probabilidade bastante alta de o governo soberano dar suporte extraordinário à companhia", avalia a agência de classificação de risco.

A expectativa da agência tem sido a de que as métricas de crédito da Petrobras se deteriorem, dado o aumento em sua dívida para financiar o agressivo plano de expansão, uma tendência que se reforça ainda mais sob a premissa de investimentos ainda maiores.

Segundo a S&P, "estamos monitorando as implicações que a revisão da estratégia da empresa terá sobre sua estrutura de capital e liquidez. No entanto, não prevemos uma ação negativa nos ratings da Petrobras, considerando-se o suporte extraordinário do governo brasileiro, desde que os ratings do Brasil permaneçam estáveis. Ressaltamos que os vínculos entre a Petrobras e o governo brasileiro têm incrementado significativamente, tanto em termos de capitação de recursos (funding), quanto de governança".

(Redação - Agência IN)