Mercado de juros futuros fica com volume reduzido

SÃO PAULO, 25 de junho de 2010 - Em dia de agenda doméstica esvaziada e jogo do Brasil na Copa do Mundo o volume de negócios ficou reduzido. Na BM&FBovespa, as projeções de juros embutidas nos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) fecharam perto da estabilidade. O DI com vencimento em janeiro de 2011 projetou juro de 11,31%, ante 11,28% do ajuste anterior. O DI de janeiro de 2012 foi o mais negociado com apenas 79,9 mil transações efetuadas, esse papel apontou taxa anual de 12,08%, mesma do último fechamento.

Internamente, o único destaque da agenda foi o dado sobre a produção industrial que voltou a crescer em maio revelou a Sondagem Industrial, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Depois de cair de 62,9 pontos para 51 pontos em abril, o indicador de evolução da produção aumentou para 54,9 pontos em maio. A Sondagem mostra ainda que a economia está crescendo sem colocar em risco a estabilidade dos preços, observa o gerente executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca.

Para a equipe econômica do banco Fibra, ainda que seja esperada uma desaceleração no ritmo de crescimento econômico no segundo trimestre em comparação com o primeiro, parece que novamente podemos ser surpreendidos com resultados ainda mais fortes. O viés para o crescimento econômico para este ano, portanto, segue sendo de alta, ou seja, de um crescimento ainda mais robusto do que o projetado.

No front externo, foi revelado que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos avançou 2,7% no primeiro trimestre deste ano, ante os três meses imediatamente anteriores, segundo a terceira prévia do dado. O indicador veio abaixo do esperado por analistas, que estimavam crescimento de 3,5%

Na próxima semana os agentes financeiros, receberão o resultado do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de junho e dados sobre a produção industrial de maio.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)