Curva de juros futuros opera sem grandes oscilações

SÃO PAULO, 25 de junho de 2010 - Diante da fraca agenda doméstica de indicadores econômicos, as curvas em todos os vencimentos apresentam movimentos discretos hoje e, em sua maioria, estabilidade, com pequeno viés de baixa em suas taxas. Vale ressaltar que o maior evento esportivo, a Copa do Mundo, em especial, o jogo do Brasil contra a Protugal contribuiu para reduzir os negócios no mercado de renda fixa nesta manhã. O Brasil empatou por 0 a 0 contra Portugal, pela terceira rodada da Copa do Mundo.

Na BM&FBovespa, há pouco, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) de janeiro de 2011 apontava taxa anual de 11,30%, ante 11,28% do ajuste anterior. Janeiro de 2012 projetava juro de 12,05%, contra 12,08% do último fechamento.

O foco do dia está sendo a agenda externa, com os investidores repercutindo dados de peso sobre a economia norte-americana, que vieram abaixo do esperado. Pela manhã foi revelado que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos avançou 2,7% no primeiro trimestre deste ano, ante os três meses imediatamente anteriores, segundo a terceira prévia do dado. O indicador veio abaixo do esperado por analistas, que estimavam crescimento de 3,5%.

O mercado de renda fixa segue avaliando os últimos dados de inflação que foram divulgados nesta semana, profissionais ressaltam que, enquanto persistir a deflação em alimentação dificilmente se observará índices pressionados, porém é importante lembrar que os núcleos da inflação não têm cedido na mesma magnitude do índice como um todo, o que corrobora para uma inflação pressionada no ano.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)