Incertezas e indicadores mistos derrubam bolsas europeias

SÃO PAULO, 24 de junho de 2010 - As incertezas quanto a situação dos países da Europa e a divulgação de indicadores econômicos mistos fizeram com que os principais índices acionários europeus fechassem com quedas.

Ao final do pregão, o índice FTSE-100, de Londres, recuou 1,51%, aos 5.100 pontos, o DAX, de Frankfurt, caiu 1,44%, aos 6.115 pontos e o CAC-40, de Paris, teve desvalorização de 2,37%, aos 3.555 pontos.

Os pedidos à indústria na zona do euro subiram 0,9% em abril de 2010, em relação ao mês de março. Em comparação com o mesmo período no ano passado, as encomendas cresceram 22,1%.

Por outro lado, os novos pedidos de bens duráveis norte-americanos recuaram US$ 2,2 bilhões em maio, ou 1,1%, alcançando a cifra de US$ 192 bilhões. Esta retração segue após cinco aumentos mensais consecutivos (incluindo a excelente performance do mês de abril, que avançou 3,0%). Excluindo o item transportes, os novos pedidos perderam 0,9%. Por sua vez, excluindo defesa, os novos pedidos de bens duráveis cederam 1,1%.

O quadro de cautela no velho continente foi retomado com as preocupações dos bancos centrais da região com a situação financeira dos bancos.

O Banco Central do Reino Unido (BoE, na sigla em inglês) afirmou ontem que estresse no mercado financeiro permaneceu nos últimos meses. Já o Banco Central Europeu (BCE) informou que os bancos portugueses duplicaram no mês passado os empréstimos pedidos à entidade, até chegarem à soma de ? 36 bilhões (em torno de US$ 44 bilhões).

Para completar o quadro de instabilidade, os serviços públicos e os transportes sofrem nesta quinta-feira importantes transtornos na França por ocasião de um nova greve e manifestações contra o projeto de reforma das pensões do Governo, que eleva a idade mínima de aposentadoria.

Na semana passada, o governo apresentou uma bateria de propostas que preveem subir a idade mínima de aposentadoria de 60 a 62 anos para cortar o déficit orçamentário.

(Redação - Agência IN)