Copa 2010 injeta US$45 milhões na África do Sul

SÃO PAULO, 24 de junho de 2010 - A África do Sul já sente os reflexos positivos na economia em relação ao aumento dos gastos dos turistas portadores de cartões com a bandeira Visa durante a Copa do Mundo. Os brasileiros estão entre os turistas que mais contribuíram com o turismo local. Segundo os dados da Visa, o Reino Unido, seguido dos Estados Unidos, Austrália, França e Brasil respondem por 51% dos gastos totais na África do Sul. Até agora foram injetados US$ 45 milhões na economia Sul Africana.

Entre o início dos preparativos da Copa do Mundo e as primeiras três semanas de partidas -1º de junho a 20 de junho -, os gastos dos turistas na África do Sul com cartões Visa ultrapassaram os US$128 milhões. O valor é 54% maior quando comparado aos US$ 83 milhões gastos no mesmo período do ano anterior. O número de transações de 1º de junho a 20 de junho foi de 900 mil (média de 45 mil por dia), sendo 60% maior (600 mil ou média de 30 mil por dia) comparado ao mesmo período de 2009.

O montante gasto pelos visitantes estrangeiros com cartões de crédito, débito e pré-pago nos dez primeiros dias da Copa do Mundo (de 11 a 20 de junho) aumentou 81% sobre o mesmo período do ano anterior. Mais de 90% dos gastos são realizados com atividades de lazer e negócios - hospedagem, restaurantes, comércio, aluguel de carros e passagens aéreas.

"Os dados confirmam o que é possível verificarmos nas ruas e nos shoppings das nove cidades mais importantes. Os estrangeiros estão utilizando os cartões Visa para fazer suas compras nos 120 mil estabelecimentos que aceitam a marca na África do Sul", diz Michael Lynch, executivo responsável pelo gerenciamento de patrocínio da Visa Inc..

"O patrocínio da Copa do Mundo 2010 da FIFA na África do Sul pela Visa está caminhando muito bem com atividades promocionais que ocorrem em cerca de 100 países, envolvendo 500 instituições financeiras e estabelecimentos comerciais. Nós também premiamos aproximadamente 4 mil ganhadores de promoções relacionadas à África do Sul, o que tem nos proporcionado uma grande experiência", complementa Lynch.

(Redação - Agência IN)