Canadá aumenta segurança para cúpulas dos G8 e G20

SÃO PAULO, 24 de junho de 2010 - Um impressionante dispositivo de segurança entrou em vigor nesta quinta-feira na região de Toronto (Canadá), que receberá dezenas de chefes de Estado e de governo, assim como milhares de manifestantes por ocasião das reuniões de cúpula do G8 e do G20.

Em meio as medidas de segurança, a polícia canadense deteve o motorista de um carro com cinco galões de gasolina a bordo, uma motosserra e uma balestra artesanal, no centro de Toronto, perto do local onde será realizada a cúpula do G20, segundo uma jornalista que presenciou os fatos.

A estação turística de Huntsville (a 200 km de Toronto), será a sede do G8 nesta sexta-feira e no sábado e, posteriormente, a metrópole canadense receberá o G20. As duas reuniões servirão para abordar temas sensíveis como a dívida pública, a regulação e os impostos ao setor financeiro, além da coordenação das políticas econômicas de interesse geral.

No passado, as cúpulas dos países mais poderosos geraram manifestações (às vezes violentas) e, por isso, o Canadá preparou uma meticulosa operação de segurança. O custo do dispositivo ronda US$ 1 bilhão.

Em consequência, na quinta-feira, a metrópole situada às margens do lago Ontário parecia uma cidade fantasma, extremamente silenciosa, habitada essencialmente por policiais que se movimentavam em pequenos grupos à espera de hipotéticas manifestações.

"Na eventualidade de os manifestantes adotarem um comportamento criminoso, algo que não seria tolerado, nossos policiais terão toda uma série de opções de intervenção", explica o cabo Charles Vallée, porta-voz da Gendarmaria Real do Canadá (polícia federal).

Entre as armas estão veículos com jatos d'água e equipamentos potentes de som, sendo que esses últimos podem emitir mensagens pedindo para os manifestantes se dispersarem ou lançando mão de sons estridentes. Uma associação entrou na Justiça para proibir esse instrumento, e a decisão deve ser divulgada na sexta-feira.

As principais manifestações anunciadas (e circunscritas a regiões autorizadas) ocorrerão no sábado, quando será iniciada a reunião dos líderes dos 20 principais países industrializados e emergentes.

Os funcionários canadenses consideram pouco provável que os manifestantes perturbem a reunião do G8 em Hutsville. A polícia prendeu na quarta-feira um técnico de informática de 37 anos, especialista em segurança, e sua mulher. Os dois foram acusados de posse de explosivos e armas, afirmou a polícia em comunicado, sem dar mais detalhes.

(Redação com AFP - Agência IN)