EUA amplia sanções contra o Irã

SÃO PAULO, 16 de junho de 2010 - O governo americano anunciou nesta quarta-feira a aplicação de novas sanções contra o Irã, ao ampliar a lista negra de pessoas e empresas cujos bens ficam congelados nos Estados Unidos.

As novas sanções, anunciadas uma semana depois da votação pelo Conselho de Segurança da ONU, têm como alvo empresas de seguros, petroleiras e agências marítimas vinculadas ao programa nuclear ou de mísseis iranianos.

A legislação americana impõe o congelamento de ativos dessas pessoas ou empresas em seu território.

As medidas atingem também a Guarda Revolucionária iraniana, acusada pela secretária de Estado americana, Hillary Clinton, de suplantar o governo do país e transformar o Irã em uma ditadura militar.

Entre os indivíduos sancionados está o ministro da Defesa iraniano, Ahmad Vahidi.

"Nossas ações hoje são desenhadas para impedir que outros governos e instituições financeiras negociem com essas entidades e apoiem atividades ilícitas iranianas", afirmou o secretário de Tesouro, Timothy Geithner.

As medidas também atingem a Força Aérea iraniana e o Comando de Mísseis, que são suspeitos de ter ligações com o programa balístico iraniano, de acordo com o Departamento do Tesouro.

Geithner disse que a administração Obama identificou um total de 22 empresas de energia e de seguros localizadas dentro e fora do Irã que "são controladas pelo governo iraniano".

A administração Obama prometeu dar passos sozinha e chamou outros países a fazer o mesmo depois que o Conselho de Segurança da ONU aprovou na semana passada a quarta rodada de sanções contra Teerã em quatro anos.

"Nós precisamos que outros países movam-se conosco", disse Geithner.

(Redação com AFP - Agência IN)