Aerzen do Brasil inaugura sede de R$ 5 milhões em Cotia

SÃO PAULO, 16 de junho de 2010 - A Aerzen - companhia alemã líder no mercado de transporte pneumático de materiais sólidos a granel e de aeração de tanques de estações de tratamento de àgua e afluentes dentro do segmento de sopradores - inaugurou hoje no Brasil a nova sede da companhia, em Cotia (SP). Para a preparação do espaço, de 1,7 mil m³, foram investidos R$ 5 milhões, segundo Carlos Facirolli, diretor geral da companhia no Brasil.

De acordo com o executivo, as máquinas comercializadas pela companhia no País são montadas com cerca de 65% de suplementos brasileiros. "O coração, a tecnologia da máquina vem da Alemanha, os complementos nós adquirimos no mercado interno", disse, completando que, desta forma, a empresa tem acesso à verba do Finame.

Facirolli destacou que a empresa pretende construir uma fábrica no Brasil dentro dos próximos 5 ou 10 anos. O valor dos investimentos para a criação da planta ainda não foi estimado. As vendas da Aerzen no Brasil representam 5% do total da companhia.

Para Bernd Wöhlken, diretor-geral de vendas da Aerzen, a planta no País tornará as máquinas do grupo ainda mais competitivas, contudo no Mercosul. "O Brasil é o nosso líder na América do Sul. Com a construção de uma planta no País continuaríamos trazendo a tecnologia pronta da Alemanha, mas a montagem seria feita com componentes produzidos por nós aqui. Isso reduziria custos por meio da diminuição das etapas de produção, aceleraria o processo e ainda consigueríamos a isenção do imposto, de 14%, para 0%, para a venda dentro do Mercosul."

O gerente de Desenvolvimento de Negócios da Aerzen, Eberhard Friess, ressaltou ainda que há muito espaço para crescimento da empresa no Brasil. "Há muito o que avançar em saneamento, com o tratamento de água usada. O setor de cimento também deve disparar, considerando-se a proximidade da Copa e das Olimpíadas. E principalmente a atuação em petróleo e gás deverá crescer com a exploração do pré-sal", disse. Atualmente, o principal mercado de atuação da companhia no Brasil é o alimentício.

A Aerzen não possui capital aberto, é uma empresa familiar. Apesar disso, investiu ? 80 milhões nos últimos três anos. Seu faturamento em 2009 totalizou ? 265 milhões, resultado apenas 5% inferior ao obtido um ano antes.

Segundo os executivos, a crise financeira global atingiu pouco a companhia, já que possui negócios bastante diversificados. Já para o segundo semestre deste ano, as perspectivas são bastante positivas. De acordo com Facirolli, de julho a dezembro deste ano as indústrias brasileiras deverão chegar perto de 100% do uso da capacidade instalada, o que as levará a aumentar esta capacidade. "Para nós, isso significa novos pedidos", completou.

(Carina Urbanin - Agência IN)