Projeto de fidelidade partidária é analisado no Senado

SÃO PAULO, 9 de junho de 2010 - A CCJ conclui a análise nesta quarta-feira do projeto que exige três anos de filiação a um mesmo partido para qualquer candidato a cargo eletivo, além de prever perda de mandado para quem deixar a legenda com a qual for eleito.

A matéria foi aprovada em turno suplementar pela comissão, em decisão terminativa, de modo que seguirá diretamente para a Câmara se não for apresentado requerimento para votação em Plenário.

Segundo justifica o autor da proposta original (PLS 289/05), senador Aloizio Mercadante (PT-SP), "o voto é, na realidade, uma espécie de condomínio entre o parlamentar e o partido que o elegeu; portanto, o troca-troca de partidos desrespeita, acima de tudo, a vontade do eleitor e representa, na realidade, uma espécie de fraude eleitoral".

O relator na CCJ, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), apresentou substitutivo acrescentando três ressalvas pelas quais o candidato não precisará respeitar o prazo de três anos e nem perderá o mandato em caso de mudança de sigla. São elas: incorporação ou fusão do partido; criação de novo partido; e mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário ou grave discriminação pessoal que torne impossível a convivência partidária, assim reconhecido pela Justiça Eleitoral. As informações são da Agência Senado.

(Redação - Agência IN)