IBEF-SP enxerga que alta da Selic poderia ter sido menor

SÃO PAULO, 9 de junho de 2010 - Em relação a decisão do Banco Central (BC) de elevar a taxa Selic para 10,25% ao ano, o Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (IBEF-SP), afirmou que BC poderia ter reduzido o ritmo de alta da taxa para 0,50 ponto percentual (p.p.)

Walter Machado de Barros, presidente do Conselho de Administração do IBEF-SP, afirmou que o BC não precisava manter o ritmo de alta na taxa. "Entendemos que o Comitê de Política Monetária [COPOM] poderia ter decidido por uma elevação menor da taxa de juros nesta reunião. O IBEF-SP considerava mais apropriado neste momento um ajuste da taxa Selic de 0,50 p.p.", pontuou.

Barros disse ainda que a economia do Brasil está no caminho adequado. "Reconhecemos, porém, que a economia brasileira segue aquecida, embora a demanda tenha dado sinais de arrefecimento, ainda que não significativos. Mas já há, inclusive, segmentos apresentando pequena queda no índice de produção instalada. Existem setores que já estão produzindo em ritmo suficiente para atender a atual demanda".

(Redação - Agência IN)