País teve uma das melhores recuperações no mundo, diz Mantega

Agência Brasil

BRASÍLIA - O resultado do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) a soma de bens e serviços produzidos no país no primeiro trimestre deste ano tem como base de comparação um ano fraco e de crise como foi 2009.

A avaliação é do ministro da Fazenda, Guido Mantega, em nota divulgada hoje pela assessoria de imprensa. Segundo o ministro, que está em Frankfurt, na Alemanha, a trajetória é de um crescimento moderado. Ele afirmou que a economia do país caminha para um crescimento sustentável.

Mantega lembrou, por exemplo, que a indústria teve um crescimento negativo em 2009 e agora, em 2010, a economia brasileira deve ter crescimento de 6% a 6,5%.

Fiquei muito satisfeito com o resultado. Foi mais do que eu esperava. Eu esperava 2,5%. Ele mostra que a economia brasileira teve uma das melhores recuperações do mundo , diz o ministro na nota.

O ministro lembra que o resultado faz parte de um conjunto de medidas de políticas monetária e fiscal que ele considera bem sucedidas. Para o ministro, na comparação internacional, apenas a China teve um crescimento dessa magnitude e o resultado do PIB brasileiro mostra o vigor e o dinamismo da economia brasileira.

Temos que destacar a qualidade do crescimento, principalmente pelo crescimento da indústria (4,2%) e da Formação Bruta de Capital Fixo (7,4%) na comparação com o quarto trimestre de 2009. O investimento está crescendo 18% em relação ao primeiro trimestre de 2009 .

Mantega destaca que o primeiro trimestre de 2010 foi o auge da retomada do crescimento e todos os estímulos estavam em vigor, como as desonerações do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a redução do compulsório dos bancos e a taxa de juros, que estava em seu menor patamar.

Ainda tivemos os estímulos dos gastos do governo. Eu também destacaria o aumento do consumo das famílias (1,5% em relação ao quarto trimestre do ano passado).

Para o segundo trimestre, a análise do ministro é que já há dados de desaquecimento. Ele destaca porém que no ano o crescimento será alto. Isso porque quase todos os impostos que foram zerados ou reduzidos durante a crise voltaram a seus patamares anteriores, provocando queda na demanda. Além disso, ajudarão a volta do compulsório, a taxa de juros e o corte de R$10 bilhões nos gastos do governo.

Outro fator que ajudará no desaquecimento é a crise europeia, que diminui a disponibilidade de crédito para a economia brasileira e dificulta a rolagem da dívida das empresas .