Cautela faz bolsas fecharem em direções opostas

SÃO PAULO, 8 de junho de 2010 - Os investidores continuaram preocupados com a saúde fiscal dos países europeus e com isso a cautela dominou as bolsas de valores nesta terça-feira.

Na Europa, além dos receios com a Hungria, o mercado reagiu negativamente à informação de que a agência de classificação de risco Fitch recomendou ao Reino Unido que cortasse os gastos públicos. Diante disso, os índices acionários da região terminaram em baixa. Ao final do pregão, o índice FTSE-100, de Londres, recuou 0,81%, aos 5.028 pontos, o DAX, de Frankfurt, perdeu 0,62%, aos 5.868 pontos e o CAC-40, de Paris, caiu 0,98%, aos 3.380 pontos.

Nos Estados Unidos, as bolsas finalizaram em direções opostas. Os agentes digeriram as declarações de Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) e também as preocupações em torno da Europa. Ao final dos negócios, em Nova York, o índice Dow Jones Industrial Average ganhou 1,26%, aos 9.939 pontos. O S&P 500 subiu 1,10%, aos 1.062 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq perdeu 0,15%, aos 2.170 pontos.

Na Argentina, o índice Merval, da bolsa de valores de Buenos Aires encerrou em alta de 1,59%, aos 2.203 pontos.

E no Brasil, o Ibovespa operou volátil durante o dia, mas no fim da sessão subiu 1,10%, aos 61.855 pontos. O movimento, segundo analistas, foi puxado pela melhora do índice Dow Jones e também pela valorização das blue chips. O giro financeiro da bolsa terminou em R$ 4,937 bilhões.

Ainda internamente, na renda fixa, às vésperas da decisão do Copom, cujo consenso é de alta de 0,75 ponto percentual na Selic, os agentes digeriram dados de inflação e a curva de juros cresceu. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) de janeiro de 2011 projetou taxa anual de 10,99%. E no câmbio, o dólar comercial firmou tendência e caiu, vendido a R$ 1,86.

E por último nas commodities, os preços do petróleo no mercado internacional tiveram uma sessão de ganhos, refletindo o discurso do presidente do Fed. A cotação do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em julho, registrou alta de 0,7%, para US$ 71,91 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). Já o barril do tipo Brent, com vencimento em julho, subiu 0,05%, cotado a US$ 72,16 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)