Projeções dos DIs abrem sinalizando queda

SÃO PAULO, 1 de junho de 2010 - Os prêmios dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) iniciam o dia sinalizando queda com os agentes repercutindo dados de inflação e atividade. Na BM&FBovespa, há pouco, o DI com vencimento em janeiro de 2011 apontava taxa anual de 10,94%, ante 10,96% do ajuste anterior. O DI de janeiro de 2012 projetava juro de 11,94%, contra 11,98% do último fechamento.

Nesta manhã a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 31 de maio registrou variação de 0,21%, 0,26 ponto percentual abaixo do apurado na medição anterior. Este é o menor resultado desde a segunda semana de novembro de 2009, quando o índice variou 0,20%.

Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que a produção industrial brasileira recuou 0,7% em abril deste ano, na comparação com o mês anterior. A retração encerra o período de quatro altas consecutivas, quando o índice acumulou avanço de 6,4%.

O professor do Departamento de Contabilidade, Finanças e Controle da FGV-EAESP, José Pereira da Silva, comenta que para os próximos meses, o crescimento da economia levará algumas empresas a crescerem. Aquelas que tiverem capacidade ociosa irão, numa primeira fase, utilizar a capacidade já instalada. Quem estiver operando acima de 80% de sua capacidade instalada, se houver mercado e crescimento de demanda vai precisar ampliar a capacidade produtiva. Não se desenvolve projetos estratégicos só com recursos próprios, ou seja, mesmo que a empresa tenha dinheiro, ela deve compor uma estrutura de capitais utilizando dívida de longo prazo para gerar o chamado efeito de alavancagem e maximizar riqueza.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)