Brasil pode estreitar laços agrícolas com a China

SÃO PAULO, 1 de junho de 2010 - Um dos maiores polos importadores da China, a província de Tianjin poderá estreitar as relações com o Brasil na aquisição de alimentos in natura e industrializados. O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Gerardo Fontelles, recebeu, nesta terça-feira, o vice-prefeito daquela região, Dongliang Yang, para tratar de interesses comuns entre os dois países.

Dongliang explicou que, há alguns anos, a municipalidade de Tianjin - terceira maior da China - tem relações com o Brasil, em especial, como importadora de minério de ferro. Segundo o vice-prefeito, além de aumentar a compra de alimentos, a ideia é aprender com a experiência brasileira, tendo em vista que a produção agrícola representa menos de 2% naquela província.

"Os governos centrais do Brasil e da China já têm acordos, mas temos interesse em manter relação direta com as províncias, o que pode estreitar ainda mais esse intercâmbio", destacou Fontelles. O secretário apresentou, ainda, os planos de crescimento do Brasil na área agrícola, a partir do aumento da demanda de países como a China, maior comprador da soja nacional, e os projetos de infraestrutura para escoamento da produção.

(Redação - Agência IN)