Marketing tecnológico ganha força entre empresas de telefonia

Da redação, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - O mobile marketing, interação entre marcas e clientes, está revolucionando a maneira de usar o celular. Empresas estão criando aplicativos que trazem a possibilidade dos clientes entenderam mais sobre os produtos e trocarem informações com as companhias. De acordo com a Mobile Marketing Association no Brasil, as companhias de celular vão faturar, em média, R$ 3 milhões com a tecnologia em 2010, 10% a mais que no ano passado. As operadoras investem cerca de 15% do orçamento nesta tecnologia.

O crescimento recente da banda larga móvel e da TV digital na Europa e seu desenvolvimento futuro no Brasil e América Latina foram apresentados na conferência Era Digital: o uso expandido do celular, promovido pelo Jornal do Brasil e pela Casa Brasil, com o patrocínio da TIM, do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) e do Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RJ).

Segundo Vincenzo Di Giorgio, que trabalhou 15 anos na TIM e hoje é presidente e CEO da Onda Communication, embora a banda larga móvel e as evoluções dos celulares brasileiros estejam muito atrasados, a tendência é de melhora para os próximos anos, com crescimento na qualidade.

Durante anos trabalhei na TIM e recentemente resolvi sair para abrir o meu próprio negócio. Aposto muito no mercado brasileiro disse Di Giorgio.

Previsões

O celular vai superar o número de acessos à internet pelo pelo computador em poucos anos, acredita o diretor da F/Biz, Marcelo Castelo. A previsão é com base no número de pessoas com celular que supera o de internautas no Brasil, com 120 milhões de usuários de celular contra 70 milhões de pessoas com acesso à internet por computador. O especialista destacou que desses 120 milhões, 70 milhões usam SMS.

Com o celular eu consigo atingir as classes D e E, que muitas vezes não acessam a internet avalia.

O diretor ressalta que um estudo do RBC Capital Markets, diz que as vendas de smartphones superarão as de computadores pessoais em 2011.

Melhorias

Di Giorgio também ressaltou que o Brasil tem grandes dimensões e que é preciso investir na infraestrutura para incentivar a melhoria dos serviços e focar nas necessidades da sociedade. O especialista comentou o desconhecimento dos brasileiros sobre as inovações tecnológicas.

Muitas vezes o usuário já têm aparelhos que suportam inúmeras utilidades e não sabe usar. Outras ficam com medo de contratar um serviço de internet e não saber mensurar quanto deve pagar no final do mês disse Di Giorgio.

Ele deu algumas sugestões de melhorias como a criação de planos pré-pagos personalizados para cada cliente. Além disso, preços mais baratos e baseados em tempo e não em volume de troca de dados.

As operadoras também precisam investir em publicidade e aproveitar para tirar as dúvidas da sociedade completa.

O professor de Marketing Digital da ESPM, Luiz Felipe Barros falou sobre o McDonald's, no Japão, que vende seus alimentos com QR Code códigos que carregam informações na embalagem. Quando fotografados, enviam dados nutricionais e ingredientes para o cliente. Já existem também sacolas de feiras com o mesmo código, que trazem informações sobre a procedência dos alimentos, receitas, modo de conservação e outras informações do produto.

Muitos artigos já têm QR Code nas embalagens. Roupas informam nas etiquetas sobre o material de fabricação, modo de lavagem e dicas de composição com outras peças. Obras de arte sobre a história da peça, cultura do povo que a construiu e outras curiosidades.

Outro aplicativo, criado pelo banco Bradesco, permite que com a câmera do iPhone ativada, a tela do celular indique a direção e a distância das agências e caixas 24 horas mais próximas. Também pela tela do telefone, uma invenção mostra dicas sobre locais históricos e culturais.

Barros contou da existência de um cubo luminoso com diversos jogos para celular, que a cada dia ele transmite via bluetooth jogos diferentes. Há um jogo para Play Station que transforma o ambiente onde a pessoa está em cenário para o jogo, pelo celular. Os aparelhos podem disponibilizar atualizações de dados sobre negócios, bolsa de valores, repercussão da notícia e comentários dos leitores.

É possivel usar o celular como cartão de visita virtual. O usuário do celular relaciona as redes pessoais das quais faz parte a uma foto de seu rosto. Na rua, quem quiser ter acesso a essas informações, pode fotografar a pessoa e ver o que foi selecionado conta Barros