Copa: comércio espera vender R$ 30 mi em objetos verdes e amarelos

Marta Nogueira, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Os cariocas devem gastar cerca de R$ 30 milhões com tintas, plásticos, tecidos, bandeirolas, cornetas e vestuário, nas cores verde e amarelo, nas próximas duas semanas, para entrar no clima da Copa do Mundo e torcer pela seleção brasileira, segundo a Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). As vendas podem superar em 20% o que foi comercializado na última Copa. Segundo especialistas, os lojistas dependem do desempenho dos jogadores do país para terem resultados ainda melhores. A situação econômica favorável e o incremento da qualidade das propagandas estão entre os motivos que favorecem o setor.

Maiko Riche, que tem quatro lojas no Saara, conta que já encomendou o equivalente a R$ 300 mil em artigos para a Copa do Mundo. Segundo ele, esta época costumava ser boa por causa dos produtos para a festa junina, mas há três anos o movimento não tem sido bom.

Este ano os jogos de futebol salvaram nossas vendas. Estamos registrando, no sábado, um aumento de 50% no faturamento. Acreditamos no sucesso da nossa seleção e nosso estoque está preparado disse Riche.

Outra pesquisa feita pela Câmara de Dirigentes Lojistas do Rio (CDL-Rio), que ouviu 500 lojistas da cidade, mostrou que 92% dos empresários disseram que o Brasil será campeão do mundo e estão apostando nesta ideia.

O presidente da CDL-Rio, Aldo Gonçalves, diz que os lojistas embarcaram no clima de euforia e estão estimulando os consumidores com lançamentos, promoções e descontos. No entanto, lembra que eles também enfrentarão dificuldades.

Nosso principal adversário, no campo das vendas, é a informalidade que aumenta muito em épocas com essa ressalta Aldo. É uma concorrência desleal. Prejudica o comércio formal, que emprega, paga aluguel e impostos.

Se o Brasil for classificado para a final, deve haver um aumento dos preços de até 25% na última semana dos jogos, observa o diretor da ACRJ e professor de Marketing de Varejo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Daniel Plá. Os ambulantes, de acordo com ele, serão responsáveis por um terço das vendas destes artigos.

Temos cerca de 10 mil ambulantes pela cidade, que oferecem preços às vezes três vezes maior que os encontrados na região do Saara, por exemplo disse Plá.

As boutiques e lojas de material esportivo dos shoppings também vão participar da festa, e devem movimentar mais de R$ 12 milhões, segundo a Associação das Empresas Lojistas em Shopping Centers do Estado do Rio de Janeiro.

O shopping Tijuca tem expectativa de aumentar as vendas em até 40%, entre junho e julho, principalmente nas lojas de artigos esportivos. Para o gerente de marketing, Raul Barbosa, os outros segmentos não vão deixar a data passar em branco. As boutiques de utilidade e decoração para a casa, vestuário feminino, masculino e infantil, também estão investindo no evento.

A Tijuca é um bairro que atrai milhares de torcedores em grandes pontos de concentração, com o Alzirão, e o Shopping também vai enfeitar seus corredores com o verde e amarelo informa Barbosa.

Empresas vão às compras para enfeitar escritórios

As empresas também estão se enfeitando para a Copa do Mundo e apostando nos artigos verdes e amarelos para trazer um clima agradável para o ambiente de trabalho. Funcionários de grandes companhias ajudam a aumentar ainda mais a massa de consumidores que dominam os corredores do Saara, no centro do Rio.

Lucélia Pinho, que trabalha na parte administrativa da Petrobras, foi ao centro com um grupo de colegas do mesmo setor para comprar artigos e espalhar por dois andares do prédio onde trabalha. Segundo seu colega de setor, Alexandre Amorim, até nos corredores já foram instaladas televisões para ninguém ficar por fora do evento.

O gerente que deu o dinheiro e nós viemos comprar disse Lucélia. Teremos horários especiais durante os jogos.

Com a casa toda verde e amarela, este ano a Ana Cláudia Nunes comemorou o aniversário do filho com o tema de Copa do Mundo.

André Luiz fez 9 anos e adorou a ideia de festa, junto com seu pai, que sempre compra estes produtos nestas épocas destaca Ana Cláudia

Professor de Marketing da USP, Marcos Campomar acredita que o sucesso das vendas está na publicidade das grandes marcas.

Em um evento deste porte, as empresas pegam carona no interesse da massa para divulgar os seus produtos, estimulando ainda mais as compras avalia.