Sinalização da China tranquiliza bolsas mundiais

SÃO PAULO, 27 de maio de 2010 - A sinalização de que o governo chinês vai continuar investindo em ativos na zona do euro elevou as principais bolsas de valores do mundo.

Na Europa, diante da crise fiscal, a cautela foi deixada de lado, e os índices acionários acabaram com ganhos. Ao final do pregão, o índice FTSE-100, de Londres, subiu 3,12%, aos 5.195 pontos e o DAX, de Frankfurt, ganhou 3,11%, aos 5.937 pontos. Já o CAC-40, de Paris, valorizou 3,42%, aos 3.525 pontos.

O mesmo aconteceu com as bolsas dos Estados Unidos, que encerraram com altas expressivas. Na agenda econômica, vale destacar o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB) do país. O indicador subiu 3% no primeiro trimestre de 2010, ante o trimestre anterior. O dado veio um pouco abaixo do esperado por analistas. Ao final dos negócios, o índice Dow Jones Industrial Average avançou 2,85%, aos 10.258 pontos. O S&P 500 subiu 3,29%, aos 1.103 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq ganhou 3,73% aos 2.277 pontos.

Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires registrou expansão de 5,59%, aos 2.176 pontos, na sessão.

E no Brasil, o Ibovespa teve valorização de 3,16%, aos 62.091 pontos, influenciado pela melhora do ambiente externo e também pela alta das commodities. O giro financeiro da bolsa terminou em R$ 6,661 bilhões.

Ainda internamente, na renda fixa, a curva de juros futuros passou por um dia de acréscimos nas taxas. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011 apontou taxa anual de 10,98%. Enquanto isso, no câmbio, o dólar comercial caiu, vendido a R$ 1,82.

Já nas commodities, os preços do petróleo apresentaram alta superior a 4%, com os investidores reagindo positivamente às notícias da China. A cotação do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em julho, subiu 4,25%, vendido a US$ 74,55 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). O barril do tipo Brent, com vencimento em julho, avançou 4,1%, para a US$ 74,66 no ICE Exchange de Londres.

(Redação - Agência IN)