Notícias da Ásia e Europa fazem Ibovespa voltar aos 62 mil

SÃO PAULO, 27 de maio de 2010 - Notícias positivas vindas da Ásia e Europa fizeram com que os investidores deixassem a cautela de lado e elevassem as compras na BM&FBovespa, replicando o ambiente externo. Com isso, o Ibovespa subiu 3,16%, aos 62.091 pontos. O giro financeiro da bolsa terminou em R$ 6,661 bilhões.

Para João Pedro Brugger, analista da Leme Investimentos, como as forças vendedoras diminuíram no Brasil nos últimos dias, os agentes reagiram bem à notícia de que a China desmentiu os rumores de que estaria diminuindo os investimentos no continente europeu.

Outro fator que colaborou com os negócios, segundo Brugger, foi a informação de que os deputados espanhois aprovaram o plano de austeridade apresentado pelo governo socialista de José Luis Rodríguez Zapatero. O decreto lei, que inclui redução salarial do funcionalismo a partir de junho e o congelamento das pensões em 2011, foi aprovado por maioria simples, com 169 votos a favor e 168 contra.

Nos Estados Unidos, os investidores pareceram ignorar os números um pouco abaixo do esperado por analistas. O Produto Interno Bruto (PIB) do país avançou 3% no primeiro trimestre de 2010, na comparação com o trimestre anterior, de acordo com a segunda estimativa divulgada nesta quinta-feira. No quarto trimestre do ano passado, o PIB real teve expansão de 5,6%.

Diante do cenário mais favorável aos negócios, os preços das commodities se valorizaram no mercado internacional, favorecendo as ações de empresas que possuem maior peso no Ibovespa. No fim do dia, as preferenciais da Vale subiram 6,28%, as da Petrobras ganharam 2,80%, enquanto que as da Gerdau tiveram alta de 5,43%.

Na contramão, os papéis ordinários da BM&FBovespa acabaram entre as maiores baixas do Ibovespa, com queda de 2,21%, depois de registrarem alta significativa no pregão anterior.

O analista da Leme Investimentos destacou ainda que desde ontem se notou um forte volume financeiro na BM&FBovespa, o que "mostra que os investidores estrangeiros estão voltando para a bolsa de novo", finalizou.

(Déborah Costa - Agência IN)