Cúpula em Madri abriu caminho para entendimento entre nações

SÃO PAULO, 19 de maio de 2010 - Os principais líderes que participaram da Cúpula União Europeia, América Latina e Caribe, em Madri, classificaram o encontro como "um grande sucesso", segundo informações divulgadas pelo primeiro-ministro José Luis Zapatero na página do governo espanhol na internet.

Zapatero ressaltou que os países que participaram da Cúpula representam uma comunidade que movimenta 15 bilhões de euros, o que indica um imenso potencial para a criação de associações e negócios direcionados "ao progresso, à cooperação e ao entendimento" entre as nações.

O primeiro-ministro espanhol ressaltou que foram alcançados importantes avanços, como o reinício dos negócios entre a União Europeia e o Mercosul, bloco comercial formado pelo Brasil, pela Argentina, pelo Uruguai e Paraguai, e do qual a Bolívia e o Peru são associados.

Zapatero informou que também houve avanços consideráveis para uma associação entre a União Europeia e os países da América Central, além da criação de um plano de ação de facilidades financeiras que poderá movimentar recursos para investimentos em infraestrutura na América Latina.

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, disse que a cúpula em Madri mostrou que a integração regional e internacional entre a União Europeia e a América Latina está "madura" e pronta para ser operacionalizada.

O presidente da Comissão Europeia, o português José Manuel Durão Barroso, destacou que nas "águas turbulentas em que o mundo ainda navega", é muito importante manter o rumo para as respostas globais e, neste sentido, a cúpula cumpriu o seu objetivo.

Os detalhes sobre os acordos e associações decididos no encontro de 60 presidentes e chefes de Estado ainda não foram divulgados.

Do ponto de vista político, o primeiro-ministro espanhol afirmou que, durante a cúpula, discutiu-se a reforma do sistema financeiro internacional e surgiram propostas que serão apresentadas na próxima reunião do G20. Os governantes reunidos em Madri ressaltaram que é imprescindível a modificação do sistema financeiro internacional que está vigora há décadas sem se adaptar aos novos tempos.

Zapatero também afirmou que a União Europeia constatou, "com especial satisfação", a verdadeira fortaleza em que a América Latina se transformou durante a prolongada crise econômica e financeira internacional iniciada em 2008.

O primeiro-ministro disse que as nações reunidas em Madri serão mais soberanas se a colaboração entre elas for reforçada. "Buscaremos mais liberdade e desenvolvimento para nossos povos se abrirmos nossas fronteiras e se entendermos que o desenvolvimento e as desigualdades de um país afetam toda a comunidade internacional". As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)