PIB do Chile cresce 1,0% refletindo os efeitos do terremoto

SÃO PAULO, 18 de maio de 2010 - Durante o primeiro trimestre de 2010, a atividade econômica chilena cresceu 1,0%, na comparação com o mesmo período do ano anterior, que registrou declínio de 2,1%. Essa porcentagem reflete os efeitos do terremoto do dia 27 de fevereiro na atividade produtiva, de acordo com o relatório trimestral "Contas Nacionais do Chile" divulgado nesta terça-feira pelo Banco Central do país.

Vale destacar que o Produto Interno Bruto (PIB) do país, sem ajustes sazonais, retraiu 1,5% no mesmo período, na comparação com o quarto trimestre de 2009, impulsionado pela demanda interna, que cresceu 11,1% entre os meses de janeiro a março.

Após a recessão que se originou na crise financeira mundial, o Chile caminhava para rápida recuperação econômica, mas teve o crescimento interrompido devido a tragédia natural. O terremoto seguido do Tsunami no Centro e Sul do país, deixaram US$ 30 bilhões de prejuízo, equivalente a 12% do PIB.

Segundo os dados, os setores de Energia (EGA, na sigla em espanhol para eletricidade, gás e água), Comunicações e Comércio, Mineração, Transporte e Construção registraram expansão entre os meses de janeiro a março de 2010, no entanto, o setor industrial, Agropecuária e Pesca tiveram forte variação negativa, com destaque para o setor industrial que incide com grande peso sobre o indicador.

(SV - Agência IN)