Irã precisa cumprir acordo para não ficar isolado, alerta Turquia

SÃO PAULO, 18 de maio de 2010 - O primeiro-ministro da Turquia, Tayyiq Erdogan, advertiu hoje que o governo do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, deve cumprir o acordo sobre a transferência do urânio para evitar o isolamento na comunidade internacional. Ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Erdogan negociou ontem (17) com Ahmadinejad os termos do acordo na tentativa de encerrar o impasse criado pelo programa nuclear iraniano.

"O Irã deve cumprir com as expectativas e receber confiança", afirmou Erdogan, que participa da 6ª Cúpula União Europeia, América Latina e Caribe, em Madri. "É o tempo de a humanidade fazer a escolha certa. Devemos parar de falar em sanções contra o Irã. Apelo à comunidade internacional que apoie a declaração final em nome da paz mundial".

Segundo Erdogan, o acordo, negociado em Teerã, é a principal garantia das condições oferecidas pelo Irã para obter a confiança da comunidade internacional. "O acordo que firmamos ontem é a maior garantia que temos".

Pelo o acordo, o Irã se compromete a transferir o urânio levemente enriquecido a 3,5% para a Turquia e receberá em troca o mesmo produto - enriquecido a 20% -, por um prazo até 12 meses. Mesmo assim, os Estados Unidos mantêm as ameaças de sanções econômicas aos iranianos. Para os EUA e alguns países, o programa nuclear iraniano esconderia a produção de armas atômicas.

O acordo deve ser analisado pelos especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea) e os membros-permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Estados Unidos, França, China, Rússia e Inglaterra), assim como a Alemanha e Japão. O governo iraniano tem uma semana para informar a todos sobre o acordo. Pelas resoluções, a Turquia servirá como local de depósito do urânio iraniano e a tecnologia será russa ou francesa para o enriquecimento do produto. As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)