Governo adia leilão de energia reserva de fontes renováveis

SÃO PAULO, 18 de maio de 2010 - O leilão de energia reserva com fontes renováveis, que estava previsto ainda para o primeiro semestre deste ano, deverá ocorrer só em agosto. Na manhã de hoje, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiou a decisão sobre a minuta do edital do leilão a pedido do Ministério de Minas e Energia.

Segundo o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, os empreendedores que devem participar da licitação pediram um prazo maior para a entrega dos documentos, o que adiou a análise e a formatação do edital. Além disso, ele informou que o governo pensa em aproveitar a energia reserva que será leiloada para ser usada a partir de 2013, em substituição a usinas térmicas que seriam leiloadas.

"Estamos analisando a possibilidade de eventualmente aproveitar essa grande oferta de mais de 14 mil megawatts e usar não só para o leilão de reserva, mas também para atender 2013", disse Tolmasquim. Para isso, assinalou, será preciso fazer mudanças no edital do leilão, retirando o caráter de energia de reserva, que passará a atender a demanda imediata o mercado.

O leilão de energia reserva com fontes renováveis teve a inscrição de 478 empreendimentos, que somam 14,5 mil megawatts de potência instalada. A energia será gerada a partir de centrais eólicas, pequenas centrais hidrelétricas e termelétricas movidas à biomassa, como bagaço de cana-de-açúcar, resíduos de madeira e capim elefante. As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)