Mercados retomam viés negativo e dólar sobe

SÃO PAULO, 11 de maio de 2010 - Os mercados mundiais retomam o viés negativo nesta terça-feira, com os investidores reavaliando o plano de estabilização proposto pela União Européia em conjunto com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Instantes atrás, o dólar comercial subia 0,62%, vendido a R$ 1,789, enquanto o euro voltava a perder forças.

Segundo a economista responsável da ICAP Brasil, Inês Filipa, os movimentos refletem a falta de confiança de que o fundo de quase ? 750 bilhões não seja suficiente para evitar um colapso do mercado europeu e a revisão de que talvez mais recursos sejam necessários e é muito improdutivo, podendo ter um impacto negativo sobre o desempenho da economia real. "O objetivo do pacote não é resolver os problemas fiscais na região, que precisam de pelo menos 2 a 4 anos para conseguir concluir o ajuste fiscal e reequilibrar as contas públicas. O recursos servem para garantir a estabilidade do mercado de ativos e financiar eventuais países que não consigam cumprir suas obrigações junto ao mercado", destaca Inês.

Segundo a profissional, os movimentos nesta manhã também podem ser resultados de realização de lucro dos investidores, ao invés de novas apostas contra a zona do euro. Nos mercados acionários, as bolsas caem. O preço das commodities também caem, em especial petróleo e cobre, que reagem ao aumento da inflação na China e aos receios de que o país possa elevar as taxas de juros.

A inflação ao produtor do gigante asiático subiu de 5,9% para 6,8% em abril, sendo que em igual período de 2009, o dado registrou deflação de 6,6%. O CPI avançou de 2,4% para 2,8%, contra uma taxa de negativa de 1,5% em abril do ano passado. Ambos os indicadores vieram acima das projeções. Do lado da atividade, as vendas do setor varejista tiveram alta de 18,5% e a produção industrial cresceu 17,8%. Na parte do crédito, os novos empréstimos superaram as expectativas e o preço das casas subiu 12,8%.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)