Ibovespa dispara refletindo euforia com pacote europeu

SÃO PAULO, 10 de maio de 2010 - A surpresa com relação ao vultoso valor acordado pela União Europeia (UE) para salvar a Grécia e, possivelmente, outros países do continente, trouxe alívio aos mercados mundiais. Na BM&FBovespa, o anúncio foi recebido com euforia, elevando os ganhos acima de 4% no início dos negócios. Acompanhando o movimento externo, há pouco, o Ibovespa avançava 4,27%, aos 65.555 pontos. O giro financeiro da bolsa ficou em R$ 3,63 bilhões.

No Brasil, as ações das companhias dispararam nesta segunda-feira após os investidores terem sido tranquilizados por meio de um plano de quase US$ 1 trilhão que visa evitar uma crise da dívida externa do velho continente. Semana passada, mercados ao redor do globo despencaram com o receio de que a escalada da dívida da Grécia e o grau de entrelaçamento das economias recuassem a recuperação global.

"Depois do derretimento histórico dos mercados na semana passada, a perda de valor do euro frente ao dólar também em níveis recordes e o rebaixamento de papéis de bancos e países, a aprovação desse fundo num montante bem maior do que o esperado pelo mercado sinaliza algo bastante factual: o continente europeu não vai se curvar às especulações com relação á sua moeda e fará todo o esforço possível para reanimar a sua economia", afirmou Eduardo Camargo de Oliveira, operador da Um Investimentos.

Além do socorro vindo da Europa, refletiu nas expectativas positivas a informação que os principais banco centrais do mundo (Canadá, Inglaterra, Estados Unidos, Suíça, Japão e BCE- da União Europeia ) vão injetar liquidez por meio de swap em dólar.

No entanto, o operador assinala que "mesmo após as sucessivas demonstrações de que a solvência do continente europeu será mantida, as agências de classificação de risco podem avaliar a situação atual e pesar essas questões para um futuro rebaixamento das notas tanto de bancos quanto de países europeus. Mas claro, a avaliação vai levar em conta o pacote".

Entre as ações mais negociadas no Ibovespa, as empresas brasileiras ligadas às commodities refletem a valorização nos preços destes insumos. A Petrobras (PN) avançava 2,48%, a R$ 30,49; a Vale (PNA) subia 4,95%, aos R$ 45,29; a OGX (ON) ganhava 8,72%.

No mercado corporativo, a Hypermarcas registrou lucro líquido de R$ 62,1 milhões no primeiro trimestre de 2010, com redução de 18,7% quando comparado com o mesmo período do ano anterior e a Tivit Tecnologia da Informação firmou contrato de compra e venda de ações com a Dethalas Empreendimentos e Participações, pelo preço de R$ 18,10 por ação, pago à vista em dinheiro.

(Sérgio Vieira - Agência IN)