Governo tenta reverter aumento de 7,7% a aposentados no Senado

Luciana Cobucci, Portal Terra

BRASÍLIA - O governo tentará reverter, no Senado, o reajuste de 7,72% e a extinção do fator previdenciário aprovados na Câmara dos Deputados na semana passada. O tema foi destaque na primeira reunião de coordenação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os novos ministros do governo, realizada nesta segunda-feira.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou que o governo vai apelar aos senadores para que não aprovem um reajuste maior do que é possível pagar aos aposentados.

"O governo não vai permitir que o clima eleitoral contamine a tranquilidade das contas públicas e esforço pela responsabilidade fiscal desse governo, isso vai guiar nossa posição em relação ao debate no Senado. Ainda tem espaço no Senado para discutir, não só índice, como o fator previdenciário, que tem impacto ainda maior sobre as contas do que o índice. O fator que foi retirado na Câmara tem impacto de cerca de R$ 4 bilhões anuais", afirmou.

Senadores da bancada do PMDB no Senado já afirmaram que não votarão reajuste menor do que o aprovado pela Câmara, de 7,72%. Para Padilha, no entanto, esse assunto só será discutido com os senadores quando o assunto chegar à casa.

"Não ouvi do conjunto da bancada do PMDB, vamos abrir conversa com o Senado quando a matéria for para o Senado, até para não contaminar a votação na Câmara, que ainda não acabou. Vamos reiterar com os senadores a situação das contas públicas e a importância que tem manter responsabilidade fiscal, econômica e até para a credibilidade do País para enfrentar abalos internacionais", disse.