Espanha quer acelerar seu plano de redução do déficit público

SÃO PAULO, 7 de maio de 2010 - A Espanha tem a intenção de "acelerar" seu plano de redução do déficit público, informou, em Bruxelas, o chefe de governo, José Luis Rodríguez Zapatero, depois de uma semana em que a bolsa de Madri sofreu fortes perdas por temores sobre a solvência financeira do país.

O governo tem a intenção de diminuir o déficit público, atualmente em torno de 10% do Produto Interno Bruto (PIB), a 3% até 2013, afirmou Zapatero em entrevista à imprensa, ao final de uma reunião extraordinária dos líderes da zona do euro, uma região golpeada por uma crise de confiança nos mercados.

O chefe de governo espanhol explicou que apresentará o "novo compromisso" na próxima quarta-feira, durante um pronunciamento no Congresso, acrescentando que o processo de consolidação fiscal deve vir "acompanhado do crescimento econômico".

A Espanha saiu do primeiro trimestre da recessão com uma tímida recuperação da atividade econômica, de 1% do PIB, depois de ano e meio de contração, segundo dados divulgados na sexta-feira.

Zapatero pronunciou-se mais uma vez contra "os reiterados ataques" dos mercados à "solvência do euro" na última semana e, em especial, à bolsa de Madri, que perdeu mais de 14% desde terça-feira.

Por este motivo, congratulou-se com a decisão dos líderes da zona do euro em sua cúpula de Bruxelas de pôr em prática um fundo de apoio a qualquer sócio que atravesse dificuldades - uma medida que será concretizada no próximo domingo pelos ministros europeus das Finanças.

Os dirigentes europeus lançaram-se numa "defesa unânime, em favor do euro e de sua estabilidade", congratulou-se Zapatero, desejando que segunda-feira os mercados reajam "razoavelmente bem" a medidas aprovadas na cúpula.

(Redação com AFP - Agência IN)