Procon de MG tomou primeira atitude pelos consumidores

Jornal do Brasil

RIO - Ontem, o Grupo de Estudos Permanentes de Acidentes de Consumo (Gepac) tinha informado que iria reunir-se para traçar diretrizes da atuação e informou que a decisão do Procon de Minas Gerais, de proibir a venda do Toyota Corolla, poderia levar o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça a estender a medida a outros estados, além de exigir um recall de todos os Corolla XEI automático 2009.

Os consumidores brasileiros exigem explicações sobre o defeito dos veículos Corolla da montadora japonesa, já que num dos casos citados no processo do Procon, com dois travamentos, o acessório já tinha sido retirado quando o defeito reapareceu.

O bloqueio em Minas Gerais vigora até que a Toyota substitua os tapetes dos veículos novos e usados, independentemente do ano, por produtos seguros , segundo o texto do Procon.

A equipe do JB visitou concessionárias da Toyota no Rio, e um funcionário, que pediu para não ser identificado, confirmou que proprietários têm reclamado de problemas no acelerador. No entanto, de acordo com funcionários de outras duas assistências técnicas, as alterações se devem ao uso incorreto dos tapetes .

A Toyota, que nos EUA teve de fazer recall do mesmo veículo por problemas similares, nega o defeito e atribui os incidentes ao uso de acessórios não originais; neste caso, o tapete prenderia no acelerador. Porém, num dos casos citados no processo do Procon, com dois travamentos, o acessório já tinha sido retirado e mesmo assim o defeito reapareceu.

Em outro caso, em Minas Gerais, o veículo Corolla sofreu perda total depois de ter aceleração repentina. A motorista, que tinha o carro há dez meses, estacionava o carro na garagem do prédio e tentou frear, mas não teve resposta.