Petrobras e Gerdau animam e Ibovespa tem leve alta

SÃO PAULO, 23 de abril de 2010 - O pedido formal da Grécia de ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e à União Europeia tirou o temor em relação ao possível default do país. Além disso, indicadores positivos nos Estados Unidos acalmaram o mercado. Porém, as notícias não conseguiram segurar a volatilidade presente no pregão.

Ao final as negociações, a bolsa brasileira foi sustentada pelas ações da Petrobras e Gerdau, e encerrou em alta de 0,18%, aos 69.509 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 5,26 bilhões. Na semana, o índice acumula ganhos de 0,12%.

Hoje pela manhã, o primeiro-ministro grego Giorgos Papandreou pediu a ativação do mecanismo de ajuda FMI-União Europeia. O plano de ajuda à Grécia, da zona do euro e do FMI, prevê empréstimos de ? 45 bilhões (cerca de US$ 60 bilhões) com juros de 5%. "A formalização do pedido tirou o pessimismo dos investidores em relação ao futuro da economia na Europa", avaliou Newton Rosa, economista-chefe da SulAmérica Investimentos.

Nos Estados Unidos, apesar de tímidos resultados corporativos, o que tirou o apetite dos agentes, os indicadores foram bem avaliados. A fabricante de produtos tecnológicos Honeywell informou hoje que registrou queda de 3% no lucro atribuível da companhia no primeiro trimestre de 2010, somando US$ 386 milhões ante US$ 397 milhões apontados no mesmo período de 2009.

Nos indicadores, após três altas consecutivas, os novos pedidos de bens duráveis às indústrias norte-americanas recuaram US$ 2,2 milhões, ou 1,3% em março de 2010 ante fevereiro, para US$ 176,7 bilhões. "Apesar de ter recuado, tirando os itens voláteis, o indicador veio bom, e é o que está segurando as bolsas norte-americanas. Os agentes olham para lucro, o que veio positivo". Além disso, as vendas dos imóveis novos nos Estados Unidos apresentaram alta de 26,9% em março deste ano, na comparação com o mês anterior.

Por aqui, seguindo o ritmo de Wall Street, o Ibovespa fechou com leve avanço sustentado pelas blue chips Petrobras (PN) e Gerdau (PN). Segundo o economista, a ação da Grécia favoreceu no desempenho das commodities. Por sua vez, a pressão no Congresso para a realização da capitalização para o pré-sal, também influenciou. Com isso, os papéis da petrolífera subiram 1,19% e da siderúrgica tiveram acréscimo de 2,59%.

Já as ações da Vale (PNA), não de destacaram nos ganhos, e encerraram com desvalorização de 0,86%. No mesmo sentido, o setor financeiro também ficou penalizado. Os papéis do Bradesco (PN) recuaram 0,68 %.

(Niviane Magalhães - Agência IN)