Participação do pequeno investidor cai no Tesouro Direto

SÃO PAULO, 23 de abril de 2010 - A participação do pequeno investidor, representado por aplicações de até R$ 5 mil, recuaram para 53,95% em março no Tesouro Direto - programa que possibilita a aquisição de títulos públicos por pessoas físicas pela internet. Destaca-se ainda que o valor médio por operação, neste mês, foi de R$ 18.027,00. Um mês antes, a representatividade estava em 59,2%.

No mês passado, o percentual mais alto foi o das aplicações de R$ 10 mil a R$ 50 mil, que totalizaram 23,5%. Em seguida, aparecem as aplicações até R$ 1 mil, correspondentes a 21,2%. Na faixa de R$ 5 mil a R$ 10 mil, a participação chegou a 14,9% em março, enquanto a de R$ 1 mil a R$ 2 mil atingiu 13,3%. As aplicações de R$ 2 mil a R$ 3 mil, por sua vez, representaram 7,4% do total, as de R$ 4 mil a R$ 5 mil, 7%, e as de R$ 3 mil a R$ 4 mil, 5,1%.

Em março, o volume financeiro recomprado foi de R$ 42,69 milhões, com destaque para as NTN-F, que apresentaram o volume de R$ 11,39 milhões (26,68% do total). As recompras semanais (para as quais não há limite mínimo ou máximo) têm como objetivo prover liquidez aos títulos públicos.

O estoque total do Tesouro Direto, que representa os títulos públicos em poder dos investidores dessa modalidade, é de R$ 3,48 bilhões (incremento de 3,65% sobre o mês anterior e de 30,12% sobre março de 2009). Em março, os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 49,14%. Na sequência, aparecem os títulos prefixados, com participação de 36,68%. Finalmente, a participação dos títulos indexados à taxa Selic é de 14,18%.

No que se refere à rentabilidade dos títulos em março, destacam-se a NTN-F com vencimento em janeiro de 2017 e a NTN-C com vencimento em abril de 2021, que apresentaram retorno de 2,91% e 2,20% no mês, respectivamente.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)